Pular para o conteúdo principal

VIOLÊNCIA E O FIM DO MILAGRE MARANHENSE.

*
A pesquisa Mapa da Violência, produzida pelo Instituto Sangari, deu mais 15 minutos de fama ao Maranhão. Para não fugir da tradicional forma atenção dada ao Maranhão, os índices negativos foram sublinhados. Causa espanto ao silêncio da grande imprensa nacional quando aos fatos geradores e os principais responsáveis pela perpetuação de nossa miséria. Porque não se divulga as inúmeras irregularidades ocorridas cotidiana no Maranhão e que produzem essa situação de corrosão da qualidade de vida e fazem crescer a violência. Essa situação foi socialmente produzida e reflete significativamente o grau de estagnação política da elite no poder.
 
Considerações sobre a Pesquisa: limites e alcance.
O resultado da pesquisa preocupa não só pelos aspectos explícitos, mas também pelos implícitos. A pesquisa tem como referência a Base de Dados Nacional do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde. Portanto, trata apenas de casos com registro oficial. Nesse particular, pode-se estar diante de números bem abaixo do ocorrido na realidade. Isto é, o número de homicídio pode ser bem maior, pois é bastante significativo o número de casos sem registro oficial.

É de se observar que a violência está representada apenas por um indicador, que é o homicídio. Segundo o responsável pela pesquisa, Julio Jacobo Waiselfisz, isso se deu por dois motivos: 1- o homicídio é a expressão máxima da violência; 2- as outras variações de violência pouco são registradas e tornam os dados insuficientes.

Consideramos uma limitação da pesquisa não buscar outros registros e bancos de dados para posterior cruzamento e não ter apresentado uma avaliação sobre a forma e a metodologia de registro oficial. Não há falhas na forma de registro do SIM?

No entanto, serve como alerta. Porém, como a violência não se resume ao homicídio e se estende às diversas relações sociais geradoras de danos físicos, patrimoniais, morais e simbólicos, onde a coação e a força são empregadas de formas imoderadas e sem propósitos positivados socialmente, pode-se afirmar que o quadro de violência tem dimensões bem maiores.

Aproveitar o alerta
Cabe um esforço de complementar tal pesquisa, a fim de verificar mais a fundo e de forma ampliada o avanço da violência no Maranhão. Sabe-se que a violência e o crime são fatos semiestruturados e de difícil mapeamento de todas as suas causas, mas é possível sondar dentro de um determinado espaço e momento quais os com maior constância e volume. Necessário investigar esse fenômeno e saber de suas particularidades. Existem especificidades no Maranhão; coisas que não há paralelo nas demais unidades da Federação. Quais os fatores exógenos e endógenos?

O Maranhão há tempos vem liderando todos os índices socioeconômicos de forma negativa, isto é, é o pior estado em tudo. O primeiro desse alerta foi dado pelo Atlas da Exclusão Social no Brasil, que cruzou diversos dados e indicadores, dentre eles PNDU e IDH. No Atlas de 2000 o Maranhão aparece como campeão, quanto ao número de cidades com piores níveis de qualidade de vida. O índice de Exclusão Social foi composto a partir de 07 indicadores: pobreza, emprego, desigualdade, alfabetização, escolaridade, juventude, violência. Na época a indicador já apresentava queda no índice, o que implicava em diminuição da qualidade. Esse declínio começa da década de 90 e vai avançando até o ano 2000.

Ora, dos sete indicadores que fazem parte do índice de exclusão, o único em que o Maranhão apresentava índices positivos era o da violência. Era um verdadeiro milagre maranhense. Durante três décadas (de 60 a 80) o Maranhão registrou índice de violência bem abaixo da média nacional e regional. Era um campeão da não-violência. Essa paz existia ao lado de miséria, falta de emprego etc. O que houve?

Houve uma precarização da juventude e da infância. Há registros do aumento da violência nesse segmento social, mas não existe a indicação dos fatos geradores. No entanto, alguns fatores podem ser enumerados a partir de registros esparsos. Porém, alerto que não são suficientes para uma análise mais consistente, tão pouco para uma explicação válida. É extremamente necessária a realização de pesquisas mais aprofundadas.

Enumeração feita a partir de registros fragmentados. Fatores que merecem atenção: 1- a precarização do ensino; 2- falta de espaços formativos que habilite o jovem para uma convivência pacífica e de tolerância; 3- o esgotamento da elite política e da oposição formada a partir dela; 4- estagnação política-administrativa, falta de renovação; 5- a entrada no Maranhão no circuito internacional do tráfico de drogas; 6- a invasão das drogas químicas (craque, merla, cocaína, êxtase) na periferia das grandes cidades e nas pequenas. O consumo e o tráfico tem se intensificado nas pequenas cidades do Maranhão (vide os noticiários); 7- falta de emprego para a juventude. Há jovens que já estão veteranos em estágio, mas nunca encontra emprego.

A capital do estado do Maranhão é reveladora da situação precária do ensino formal e da falta de espaços formativos. São Luís não oferece nada para a juventude. Além da superlotação de salas de aula, das instalações ruins, as escolas não oferecem nada mais que o ensino formal (nem sempre com qualidade). Não nenhum outro espaço para os jovens além de praia e shopping. Sendo que na orla só se oferece bares, os mesmos já atrapalham o livre acesso à areia.

Dono de bar já se acha dono da praia. Faltam atividades e programas regulares para promover lazer e educação aos jovens. As áreas verdes dos bairros carecem de infraestrutura e, recentemente, começaram a ser griladas à luz do sol pelas construtoras. Áreas que deviam ser destinadas ao desenvolvimento de atividades educativas e esportivas para a juventude são invadidas por empreiteiras. Pode?

O Maranhão está morrendo junto com sua velhacaria política. É preciso dar um basta e interromper esse curso de degradação! O jovem tem que ser o presente do Maranhão!


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…