Pular para o conteúdo principal

É! NÃO É FÁCIL EXPLICAR.


A greve dos servidores da UEMA é reveladora de um momento singular na política maranhense. Por um lado enxergamos o nítido descompasso e esgotamento do grupo chefiado pelo senador Sarney. Eles não conseguem mais se reinventar e a exaltada solidez começa a se desmanchar no ar. 1- combinam, fazem acordos e afagam os servidores da UEMA, nos bastidores. Surge um plano milagroso para a categoria. As lideranças não se manifestavam e nem reclamavam de nada. Quando as coisas sobem à superfície do público é, primeiramente, como a tabela de reajustes dos professores. Que é aceita sem modificações para que o Plano dos servidores seja logo aprovado. 2- o tempo passa e as coisas prometidas pelos saneysistas envergonhados não se efetivam, o próprio governo descobre que o plano não pode ser daquele jeito e faz outra proposta. 3- o governo diz que a sua nova proposta é inviável. 4- os mediadores aliados da governadora não conseguem mostrar a sua valorosa influência junto ao governo. Eles não explicam o porquê do não cumprimento das suas promessas. 5- as lideranças sindicais tentam manter a credibilidade mantendo a greve e mantendo os portões fechados. 6- docentes pretendentes ao cargo de reitor assumem a voz dos servidores e começam a direcionar o movimento no sentido responsabilizar a reitoria pelo insucesso. Uns agem nitidamente a mando do sarneysismo envergonhado. O sarneísmo envergonhado não faz cumprir suas promessas e inventa novas promessas. 7- o reitor fica como vilão da história, inclusive responsabilizado por atos que fogem da sua competência e que dizem respeito ao Legislativo e ao Executivo estadual. 8- depois de uma demora injustificada, a reitoria convoca uma reunião com os professores e deixa mais claro o que estava acontecendo e o teor do plano. 9 – Diretores de curso, de Centro e Chefes de Departamento se pronunciam, clamam por uma saída imediata e reclamam de diversos prejuízos acadêmicos e financeiros. É lembrado o direito de ir e vir e a importância da continuidade das obras dos prédios que abrigarão os cursos que estão sem espaço físico para funcionarem. 10- o governo diz não, mas em seguida um procurado diz que pode ser. Mais uma vez o governo demonstra descompasso. 11- o novo secretário de Administração fez o que já estava programado: exige o fim da greve. 12- os alunos demostram sua insatisfação com a greve através de abaixo-assinado pela internet. 13- O sindicato, sob a mira da justiça, opta pelo fim da greve. Mas o Grand momento desse fim teve uma cena épica do desmanche da solidez. O mandonismo se manifestou, no mesmo instante, com suas duas faces. Tanto sua face situação como sua face “oposição” estavam lá. Ambas, dramaticamente, convergindo para um mesmo fim.
Tem servidor ainda atônito com a exposição alienígena de algumas personalidades. Pois bem, tem mais gente convertida a esse governo que não aceitou a proposta que ele mesmo fez.
LAMENTO PELOS SERVIDORES DE BOA FÉ, QUE TRABALHAM SERIAMENTE E QUE, SEM DÚVIDA, MERECEM UM SALÁRIO MELHOR. POIS FORAM USADOS E ENGANADOS EM DIVERSOS MOMENTOS PELOS PSEUDOS APOIADORES.

ASSIM FOI NOTICIADO O FIM DA GREVE NO SITE DA UEMA:

“No início da noite de ontem (20), numa assembleia realizada no portão da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), a comissão do movimento grevista propôs o fim da greve, o que foi devidamente aceito pelos técnico-administrativos da instituição, paralisados desde o último dia 16 de março.
Participaram da reunião a deputada Helena Heluy, que informou à categoria que a governadora Roseana Sarney ainda não recebeu os servidores da Uema porque está em viagem pelo interior do estado; os advogados Guilherme Zagalo, da Ordem dos Advogados do Brasil; e Pedro Duailibe, do Sintuema; além de funcionários e alguns professores.
A decisão da assembleia de terminar a greve deu-se no mesmo dia (20/05) em que o Tribunal de Justiça do Maranhão, por meio do Desembargador José Luiz Oliveira de Almeida, concedeu liminar decretando a ilegalidade da greve e determinando sua imediata suspensão, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).
Com o fim do movimento, as aulas nos campi Paulo VI-São Luís e Imperatriz, locais mais afetados pela paralisação, serão reiniciadas na próxima segunda-feira (24), sem o perigo de que os estudantes percam o semestre.
A expectativa dos servidores é que a governadora os receba, visando estudar o melhor caminho para atender à reivindicação dos trabalhadores da universidade, que é a aprovação do Plano de Cargos, Carreira e Salários (PCCS).
FONTE: http://www.uema.br/ ”

Comentários

  1. Oi, Chico, cheguei ao blog através do ricochoro. Tudo certo. Teu senso crítico não abrigou sob asas ninguém. Talvez precisemos divulgar os nomes dos professores "líderes" do movimento. Os servidores saíram da greve com uma mão na frente e a outra atrás. Não levaram o PCCS e ainda perderam as gratificações que já haviam sido firmadas em portaria pela universidade. As próprias pessoas do governo acenaram com benesses, mas não tinham respaldo para tanto. A reitoria adiantou-se com as gratificações, mas o SINTUEMA recusou. Falando com servidores e mostrando-lhes o que perderam (claro, de imediato e riscos políticos) ficam indignados pois não entenderam, achando que as gratificações feririam de morte a luta pelo plano (na verdade, incorporação de quam já trabalha no quadro específico da UEMA e outras vantagens). Também acho: foram os professores "líderes" que fizeram isso. Um abraço e parabéns
    choairy

    ResponderExcluir
  2. Caro César,
    lamentável... Essa semana de retorno às aulas foi complicado. A tristeza estava estampada no rosto. Lamento pelos servidores que estão contribuindo e cumprindo o dever de servir ao interesse público, seguindo a responsabilidade pública. Infelizmente... existem esses tiradores de vantagens...
    Obrigado pela visita e comentário!
    Valeu!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…