sábado, junho 23, 2012

A morte de Décio e as formas e estruturas elementares do passionalismo político-partidário



O roteiro é plausível... Mas as falas e os argumentos das personagens apresentam falhas, descontinuidades, incoerências etc. Alguns trechos são obscuros. Porém, isso faz parte de qualquer caso, nem todos os envolvidos fazem registros idênticos; a seletividade da memória impera em todos os níveis da realidade social e em qualquer situação.

Os crimes desvendados são os que as lacunas foram em maior grau eliminadas, assim como as omissões e incoerências. Mas sempre vai faltar alguma coisa, pois essa coisa jamais vai ser encontrada entre os envolvidos diretamente.

As coisas que sempre faltam residem nas expectativas, na força imaginativa, nas fantasias e nos desejos que residem no interior dos grupos sociais que compõem aquele dado contexto, aquela realidade social. Isso tem a ver como o caso é representado, interpretado e valorado. Quem alimenta e produz tudo isso? São os diversos indivíduos não envolvidos diretamente no caso, mas empenhados em saber e elucidar o fato. Todos nós somos ávidos em exercitar a imaginação sob o forte impulso da curiosidade.

Um absurdo está sendo consolidado: a versão do assassino tomada como a mais absoluta verdade. Não podemos esquecer que estamos diante de mais uma VERSÃO. Trata-se de um discurso elaborado do lugar que ocupa o assassino, nesse caso o único autor preso. O discurso de quem está preso. Repito: preso. 

Cada informação desse caso precisa ser checada, averiguada e confrontada com outras versões. A delação premiada não faz esse ou qualquer criminoso virar o fiel da verdade. Ao ponto de uma confiabilidade absoluta.

O roteiro apresentado para esse assassinato é plausível, porque esse formato de crime, com tal performance é comum no Maranhão. O diferente foi o setor social onde ocorreu e os vínculos que possuía a vítima. Mas essa prática de barbárie não é rara sobre outros setores sociais que, historicamente, são massacrados de forma continuada em nosso estado, tais como: índios, negros, lavradores, quilombolas etc.

O que ficou evidenciado com o suposto “currículo” desse matador? Que no Maranhão um indivíduo desse naipe leva uma vida tranquila e sem incômodos dos poderes constituídos. Como alguém com tantos crimes ainda estava solto? Só estava porque devia gozar da cumplicidade e parceria de alguns desses poderosos. 

O homicida, na forma de “assassino de encomenda ou de aluguel”, só permanece na atividade onde existe espaço de acobertamento e proteção de pessoas ligadas a um dos poderes. Não existe pistoleiro livre e vivo sem que haja ineficácia do poder coercitivo do Estado. Alguma coisa não está funcionando bem nas instituições existentes nas cidades por onde residiu esse assassino.

Esse tipo de assassino foi escolhido a dedo, pois é o tipo “perfeito” para tal brutalidade.  “Perfeito” porque: (1) - pelo currículo, pela forma como pratica, mata sem precisar muito de “plano”, sem preocupações maiores com o lugar, com testemunhas, com a movimentação. Postura de quem respirava brutalidade. “Perfeito” (2) – Porque ao reunir tais características era mais fácil de ser descartado pelo (s) mandante (s), na forma de queima de arquivo.

Quem contrataria um matador-de-aluguel sem nenhuma discrição e brutal para matar um jornalista conhecidíssimo e funcionário do grupo político mais poderoso do estado sem pensar em se livrar dele logo em seguida? Quem teria tal ideia sem pensar em se livrar, logo em seguida, do matador contratado? 

Quem imagina que o assassino é totalmente despossuído de inteligência? 
Quem cometeria um assassinato nesse padrão e escolheria escalar uma duna para fugir? Essa duna foi plano ou uma saída do plano? 

Alguma pequena coisa pode ter dado errado, provocando o aguçamento do instinto de sobrevivência desse criminoso, fazendo-o descer da moto e se evadir pelo mato. Talvez seja esse o motivo de ter permanecido vivo. O que ele percebeu ou o que seu comparsa percebeu? Ou o que ambos perceberam naquela ação? 

Fugir na madrugada sem camisa e com uma pistola ponto 40 na cintura... ou sei lá onde, não é nada comum, ou é ? Eis uma versão. Livrou-se do carregador, mas não quis se livrar da arma. É plausível? Mais uma versão. Qual foi mesmo a trajetória dele para chegar até a Curva do Noventa? Para onde foi o comparsa?  Eles se dividirem deve ter fugido dos planos de alguém.  

Ainda não constatamos, através de leituras, nada sobre o paradeiro do motoqueiro que estava com o matador. Acharam a moto? Também não vi nada escrito sobre as circunstâncias e os suspeitos de terem matado aquele “envolvido na morte do Décio”, no Araçagi.

Décio teve mesmo a coragem de dizer para os criminosos que sabia quem eles mandaram matar? Quem disse isso? Qual a prova disso? Quem eram os jornalistas presentes nesse almoço? Eles conheciam os bandidos e mantinham diálogos como eles? Essa parte tem uma falha de continuidade. Isso tem alguma comprovação?

Esse texto foi produzido com o objetivo de demonstrar que qualquer pessoa pode achar qualquer coisa. O achismo é uma prática cultural nossa. Qualquer um, do interior da sua casa e lendo blogs, jornais e/ou ouvindo rádio e vendo TV, pode chegara a inúmeras conclusões, suspeitar mais de cem vezes de qualquer coisa, criar sua versão e acreditar no que bem quiser.

Fazendo uma retrospectiva, considero que a Polícia fez um bom trabalho. Inclusive nas omissões e demoras. Só lamento não terem acionado plenamente a polícia técnica para  que os outros envolvidos falassem mais. Deveriam usar mais de recursos científicos de persuasão para que os outros envolvidos dessem mais detalhes. Por que não foi feito isso com esses outros?  

O que pesa bastante nesse processo de esclarecimento é o grau de passionalismo oriundo da política-partidária. O Maranhão vive a miséria do pensamento dualista entre o anti-Sarney e Pró-Sarney. Ser contra ou a favor de maneira automática e cega é compartilhar de uma mesma doença: fanatismo.  Muitos estão descrentes e incrédulos porque o desfecho não foi em conformidade com suas expectativas, nem suas “verdadeiras” suspeitas. No meio disso, o que é mais do que esperado, brotam todo tipo de teoria conspiratória. Quando falaram que tinha um parlamentar envolvido, cada agente dessa teia de passionalidade doentia buscou apresentar seu suspeito. Hoje entender qualquer coisa ou explicar algum fato diante dessas mentes pró e anti é uma tarefa inglória. Por isso, não faltam dúvidas e suposições.


Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...