segunda-feira, maio 27, 2013

Blade Runner .. a última página da modernidade das luzes, a concretude diluída do desencantamento do mundo.






Blade Runner .. a última página da modernidade das luzes, a concretude diluída do desencantamento do mundo.
Eis o filme ficcional que celebra as potencialidades diversificada da sociedade produzida pela doutrina Iluminista, cientificista, da crença na razão e na ciência. Blade Runner diz em todos seus quadros que a tecnologia não é para libertar a todos, os guetos continuarão mesclados de atrativos tenológicos e miséria. O dilema da criação persiste, mesmo na criação-reflexa posta como réplicas.  
A cultura como efervescente pluralidade de sintéticas experiências. Tudo é um enigma, todos estão entorpecido nas imagens que criaram. O ar é sombrio, a vida ficou sombria sob a trama corporativa-tecnológica. Não há espaços mais para manhãs claras, para campos verdes e floridos.  O desencantamento se tornou o todo no nada. 
O melhor filme de ficção tendo como pano de fundo a hiper expansão  da sociedade moderna, desdobrando-se no epílogo da contemporaneidade. Nenhum filme criou uma atmosfera tão exageradamente visceral, profética e apocalíptica do curso das promessas da Modernidade.  O mundo aparece supremamente nu, a vida sem nenhum rincão de encanto para utopias paradisíacas. Guetos, misérias, crimes e tecnologia estão em alucinado movimento e instantaneidade solúvel, sob um circo tecnológico de imagens. As dúvidas mais primitivas persistem não solucionáveis.  
O século vinte abriu a página do mundo Blade Runner e a cada novo século é mais uma  linha  escrita do fim. 

Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...