domingo, setembro 02, 2012

Professor: carreira ou martírio?



A nossa sociedade acha a condição de professor linda e digna. Enquanto ficar só nessa percepção estética e moral a carreira não vai ser valorizada profissionalmente. O reconhecimento profissional, entre outras coisas, implica em remuneração compatível e correspondente ao grau de complexidade das tarefas e ao grau de exigência de especialização, titulação e produtividade. A autoestima profissional não deve ser desassociada de uma remuneração capaz de prover uma sobrevivência digna e que recompense os esforços. Que prestígio social é esse para uma carreira mal remunerada? Sacerdócio? Não. Professor é uma atividade de profissionais.
Ganhos de um professor por atividades:
- Orientação de monografia. Remuneração: NADA;
- Elaboração de questões e exercícios inéditos: NADA;
- Elaboração e confecção de material didático: NADA;
- Orientação em projeto de iniciação científica: NADA;
- Atendimento ao aluno extra-sala, via e-mail etc. : NADA;
- Participação em banca de monografia: NADA;
- Isenções de impostos relacionadas às atividades laborais: NADA;
- Auxílio ou desconto para aquisição de livros e recursos didáticos: NADA;
- Desconto nas bilheterias dos estabelecimentos de eventos culturais e de lazer: NADA;
- Horas de digitação: NADA;
Não basta só a paralisação tem que existir a recusa: não lançar notas, não orientar, não fazer projeto etc., até que essas atividades sejam devidamente remuneradas.  



Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...