Pular para o conteúdo principal

FRICÇÃO PREPUCIAL E INÉRCIA POLÍTICA



Os últimos dias foram inundados por teses e manifestos sobre as possíveis coligações para a disputa eleitoral de 2010. Algumas escritas de próprio punho e outras produzidas com punhos terceirizados. Em uma variação que vai do misticismo ao hiper-realismo futurista. Todas histórico-socialmente válidas.
Considero-as importantíssimas, mesmo não concordando ou não me filiando a todo esse arsenal de hipóteses, suposições, previsões etc.

No entanto, o jogo político não reside numa fé sem ações, sem intervenção efetiva na realidade e tão pouco em conjecturas sem base empírica. Não é um concurso das mais belas palavras, não é um concurso literário. Jogar é conhecer primeiramente as regras do jogo. O bom jogador tem que buscar incessantemente os meios da vitória e saber usá-los. Só a ocasião não basta, é preciso ter capacidade de aproveitá-la eficazmente. Maquiavel deixou uma lição, ainda não absorvida no estranho universo da classe política maranhense, especialmente na fração anti-oligarquia, que consiste em perceber a política enquanto uma arquitetura humana, de forma laica e tendo o homem como senhor de sua própria história, pelo menos 50% estaria sob a ordem da vontade.

Cooptar sempre fez parte do jogo político, é uma técnica. Em si não é crime algum. A própria definição não traz nenhum juízo de valor: “(lat cooptare) vtd 1 Agregar. 2 Admitir numa sociedade, por escolha dos seus próprios membros, com dispensa das formalidades de praxe.” (Moderno Dicionário da Língua Portuguesa – Michaelis). Dispensa das formalidades de praxe não significar cometer crime ou coisas detestáveis moralmente. Os meios utilizados é que podem assumir uma forma criminosa. Cooptar não é crime.

Enquanto a oposição fã fica conversando, alimentando uma rede de intrigas e atos passionais internos ao partido, os donos do poder, concretamente, buscam efetivar votos a seu favor. Saber que tem 80 votos defendendo um tipo de coligação, 81 votos defendendo um outro tipo de coligação e mais 14 votos em suposta suspensão e nada fazer, é como fé sem ação. É fé vazia. Se existe 14 votos com efetiva condição de decidir, qual o problema de se buscar cooptar esses votos sem as formalidades de praxe? Que pudor é esse?, ou que falta moral seria essa para não se fazer isso? Não envolvendo recursos criminosos a cooptação é mais do que legítima, é extremamente necessária.

Não dá para vencer assistindo o adversário fazer todos os lances livremente. Não dá para vencer com essa débil atitude de oposição-fã, que vangloria e alimenta o mito da onipotência do adversário, que se acostuma com a ideia de fraqueza e impotência, que já entra no jogo com vontade de perder. Não se pode ter medo de buscar recursos e economizar esforços para capturar as adesões necessárias. Está faltando prática, ação efetiva. É hora de arrancar resultado. Como escreveu o poeta Leminski: en la lucha de clases/ todas las armas son buenas/ piedras/ moches/ poemas.
Nunca é demais repetir o texto simples, mas atual de Maquiavel: “Assim, um homem que se mostra cauteloso quando é tempo de agir impetuosamente não sabe agir, causando então sua ruína; se conseguisse mudar de acordo com tempos, sua sorte não mudaria."

VAMOS AGIR!!! NÃO VAMOS ALIMENTAR O MEDO!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…