Pular para o conteúdo principal

As cidades antigas

Desde cedo alimentei a curiosidade de saber como era a vida das pessoas nas cidades antigas, em que consistia viver em tais situações e contextos. Demorou muito tempo para eu encontrar algumas  obras que caracterizam a vida e constituição das cidades antigas, com argumentos fundamentados, particularmente na Grécia e na Itália. Meu interesse era saber o que efetivamente possibilitava aquela configuração social e a estruturação das relações, seus parâmetros e vínculos. Quais elementos socializadores e valorativos as antecederam? (Na época eu não formulava as questões nestes termos, mas era exatamente isso que queria saber)

Bem, depois de várias leituras sobre os processos de urbanização, questões urbanas e tudo o mais sobre cidades modernas e contemporâneas é que finalmente, depois de décadas, cheguei à literatura sobre as cidades antigas. Desde modo, minha leitura foi invertida: comecei pela parte da literatura que trata das cidades atuais e modernas. Assim, primeiro li os autores da Escola de Chicago, Castells e depois Simmel etc. 

Tudo que vi no passado sobre cidades antigas foi fruto das leituras que fiz das obras de Émile Durkheim e Max Weber, que são leituras importantíssimas sobre o fenômeno. 

O que a literatura mais especializada nesse caso me ofereceu? Pude ver como as cidades não nasceram por obra de uma evolução linear, a partir de uma elemento antecedente. Não algo como A que foi se expandindo até chegar a ser Z. As cidades foram forjadas a partir da combinação e cruzamentos de várias graus de institucionalidade e regramento sociais existente, que ao se combinarem deram existência a algo singular. Combinações, sobrevivências e inovações produziram a nova fórmula associação. Pelos textos antigos os estudiosos um após outros sinalizaram o papel da religião como elemento constituidor. O valor da crença como elemento de criação, ordenação e solidariedade. 

Em todas as cidades antigas existiu a experiência do sagrado, um deus ou deuses. Porque o sagrado já estava na família. A família enquanto instituição (regras específicas de orientação da conduta dos indivíduos pertencentes àquele grupo) nasceu por força religiosa. Cada família constituída tinha seu deus, o altar (lar) com seu fogo acesso (Veita). Cada família fazia sua oferenda, o repasto e depois partilhavam os alimentos. O culto ao antepassados, aos manes (almas dos mortos). Tudo isso no âmbito privado. Aí significativamente está o culto aos menes 

Só depois, muito tempo depois os elementos religiosos passaram a ser articulados para serem compartilhados publicamente. Sem anular o deus de cada família a associação ampliada pode ter cada vez mais ser e produzir algo em comum. A religião quando ultrapassou a família nuclear, extensa e o clã, ela sai da casa da família e passa a possuir uma casa para receber as famílias. A religião passou a ter um lar além dos lares. 

Esses arranjos e alianças foram acontecendo e dessas combinações emergiram outras vivências e experiências de sociabilidade, processos de identificação e pertencimento. A tribo já era uma organização complexa. A ordenação interna, os ritos e os símbolos já exigiam um empreendimento bem maior que a vida estritamente na família. A cidade passa a ser uma associação, um tipo de irmandade, que dispões de propriedade e órgãos.

A cidade quando aparece já traz consigo não só elementos que sobrevivem do passado, mas a potencialidade de produzir elemento de ordenação social bem mais complexos, tornando esse arranjo de vida social algo singular. Essa associação estabelece o começo e fim da sua territorialidade,  nela existe uma delimitação que localiza e sinaliza o que lhe pertence e como deve ser utilizado. Isto tem várias implicações, inclusive sobre afirma r a modalidade de participação aos seu membros ou a alguns deles. Está na origem das cidades a autonomia, i,e.: o gozo de si impor suas próprias regras e seu próprio direcionamento. 

Hoje é um desafio manter minimamente articulados nas cidades (intencionalmente estruturadas urbanisticamente): o espaço de circulação, o espaço construído e o espaço  verde. Para que isso tenha consequências como melhoria da qualidade de vida. A cidade fica sob a exigência de ter operacionalidade no que são elementos vitais.  A exigência cada vez maior de compartilhamento de espaços e serviços, a interdependência e ao mesmo tempo a  conflituosidade produzem uma pressão e uma necessidade de atualização e fortalecimentos dos espaços públicos (não necessariamente estatais). 

O grande legado das cidades antigas é que a vida associada é possível e útil fortalecendo o que é comum, o que agrega e os interesses que são comuns. 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…