Pular para o conteúdo principal

A ignorância urrando contra a Política



A ignorância é real também como forma de crítica. Primeira coisa. Quem defende princípios democráticos, republicanos etc. não fica refém de bandeira partidária, nem de sua doutrina, pois é uma visão particular da política. O mais salutar para um cidadão e para a cidadania é ultrapassar continuadamente a barreira do particularismo, do corporativismo e, principalmente,do interesse estrito do próprio umbigo. Sem isso não é possível Política e tudo acaba mesmo no mero e cruel exercício de poder, pois o espaço fica inviável a diálogos e consensos, definha a dimensão do espaço público como locus de vida política. Hoje, no Brasil, há uma legião de ignorantes "esclarecidos" que rugem e berram pelo fim da Política. É como se fosse um protesto da própria alienação em prol dela mesma. É mais simples para essa legião destruir que tentar compreender a complexidade dos fatos (tramas desenvolvidas por vários atores movidos por interesses e inclinações diferentes) e as possibilidades positivas da Política. Mais fácil dizer golpe, conspiração, entreguismo, avermelhamento etc., ou acreditar que há uma verdadeira e nítida linha divisória entre esse NÓS engajados e entrincheirados e o OUTRO, também entrincheirado e engajado, porque é mais cômodo para os neurônios e para o limite de raciocínio que essa legião pratica. Esse embate é uma odisseia fictícia que os líderes, ídolos e senhores dessa legião criaram para ter o capital necessário de convivência entre si, gozando o status que isso lhes proporciona e tudo fica entre eles mesmos, lá no alto, enquanto essa base legionária, com seus urros raivosos fica com o pé na lama. Se tudo aquilo que o Jucá falou é verdeiro e viável, se isso é aceito como fundamento explicativo, o Lula fica onde? Fica onde ele está no sei dessa classe política, no alto. Ele sabe que é necessário negociar e sabe qual jogo está sendo jogado. Ser preso, ser mais desgastado ou acertar uma saída comum com os outros, mas que, no fundo, formam com ele um nós, porque são parte de um mesmo status político, mesmo que em uma hora ou outra em disputa? É lógico que ele sabe que faz parte de uma mesma classe política, que participa de um mesmo sistema político e que reproduz e é produto de uma mesma cultura política. Interessa ao Lula, nesse momento, tal euforia e desarranjo? Se o Jucá e Machado só falaram verdades, é lógico que esse vazamento Não interessa a ele. O que preocupava Lula durante o discurso de Dilma, após ela sair do Palácio? Ela insistindo em lutar até o final e ele abatido, inquieto e, no final, disse: "Eu vou para casa". Se no PT existem interesses que não são idênticos,no PSDB não é diferente. A fala de Jucá é nitidamente favorável a José Serra que começa a retirar Aécio da disputa pela Presidência da República. Ou não é? Peguem o diploma e guardem, dando grau de otários a si próprios, pois se a fala de Jucá é válida o Lula é parte do "golpe".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…