quarta-feira, janeiro 21, 2015

Quem tirou zero na redação do ENEM?


As redes sociais estão abarrotadas de piadas e escárnios sobre o resultado da prova de redação do ENEM. Trata-se de um reação cega, de baixa capacidade crítica e uma forma de sublimação. Os que tiraram zero na prova de redação do ENEM são os mais desprovidos e incapazes manipuladores da escrita com base na norma "culta"? 
Críticas equivocadas e análises superficiais tentam colocar as vítimas como pessoas menores e culpadas. Verdadeiro absurdo. Querem alguns individualizar a deficiência que é coletiva. Se 500 mil não atingiram o esperado em termo de redação há algum problema maior, de caráter social bem amplo. Por um raciocínio matemático levarmos em consideração que esse contingente representa um percentual dentro de universo bem maior e que o exame pode ser equiparado a uma amostra, logo veremos que o aconteceu é indicativo de uma situação social bem mais ampla do que representa o ENEM. 

Se 5 mil casam e somente 10 pessoas se separam é bem provável que o problema esteja só nesses cinco casais, mas se 2 mil pessoas se separam é bem provável que o problema não esteja só nessas pessoas que se separaram e é muito provável que também o casamento seja o problema. Assim alerta a imaginação sociológica (de forma simplificada). Ninguém questionou verdadeiramente o que se está avaliando e a partir do quê. Qual a legitimidade dessa avaliação nos termos em que é posta? Todos já esqueceram que nesse exame pessoas já foram aprovadas na redação transcrevendo escrevendo receita de bolo e trechos isolados de hino de time de futebol? Qual a qualidade da correção? Bem, mas a questão é mais profunda. Que ensino nós temos da Língua Portuguesa? O que verdadeira é ensinado de Português legitima a exigência desse exame? 

Olhando para os materiais didáticos e esse modelo de ensino adotado qualquer um que saiba das exigência do aprendizado descobrirá que não existe ensino compatível com o que se está exigindo. Ou melhor, o problema está bem antes, isto é, no equivocado modelo de ensino adotado no Brasil atualmente, pauto em uma massificação sem qualidade, em um currículo excessivo e sem foco no que essencial para o desenvolvimento intelectual e nos fundamentos de cada área de conhecimento. Hoje existe um bizarro ano letivo de 200 dias e com um excessivo volume de conteúdo, tornando impossível a assimilação, a compreensão e a reflexão sobre o mesmo. Basta ver na lista de material didáticos do ensino médio. É algo estarrecedor, surreal e contraproducente. 

Na verdade, esse modelo de massificação sem qualidade, visando apenas registrar crescimento numérico, não possibilita os estudantes estudarem e renderem. Há um excesso de tempo em sala de aula, muito conteúdo sem vínculo objetivo com a formação, sem nexo prático e teórico. Os alunos e seus pais são vítimas de um mercado editorial de livros didáticos e de um política de Estado para educação autoritária e ultrapassada. A política de Estado está aprofundando o ensino brasileiro como aparelho ideológico de Estado, através de uma política de regulação homogeneizadora, que confunde currículo mínimo nacional com rigidez e inflexibilidade curricular, que tem retirado espaço da inovação educativa e que engessou a iniciativa pedagógica em nome da regulação e o disciplinamento. Não existe hoje no Brasil uma só universidade livre e autônoma do Estado, não existe possibilidade de exercício do ensino de uma fora autônoma e pautada no livre pensar. 

Essa política "educacional" tem uma feição político/partidária que atende exigências do mercado de ensino, sustentando prioritariamente os negócios das empresas de ensino privado. A massificação doa cesso ao ensino superior hoje, com as políticas de auxílio, garantir o preenchimento das vagas nas entidades privadas de ensino, eliminar vagas ociosas nesses empreendimentos e garantindo um rendimento mínimo desses empresários, que vivem, em boa parte, do repasse direto dinheiro público. 

Além disso, essa massificação do acesso, o aumento dos matriculados não foi acompanho da ampliação do que realmente universidade, a universidade não cresceu naquilo que a caracteriza como tal. A consequência imediata foi um tendência de declínio da qualidade das universidades, que estão sendo pressionadas a operarem apenas como entidades de ensino de terceiro grau. 

As tais ferramentas de avaliação atualmente adotadas servem pouco como subsídio para aperfeiçoamento, correção e melhoria do ensino. Essas avaliações precisam receber críticas mais apuradas e uma ampla revisão. Até agora elas estão só constatando o resultado de um processo que tem dado péssimos resultados diante dos parâmetros utilizados para avaliar. O ensino, em todos os níveis, está ruim. Forma e conteúdo ineficientes.  Estão cobrando um resultado no qual não existe nenhum investimento para ele ser obtido. 

Redigir exige habilidades para além das regrinhas gramaticais. Há quem pense que o desastre foi todo por conta da ortografia e da pontuação. O problema é bem maior. Muitos alunos decoraram as regras gramaticais, mas não sabem como empregar as mesmas na produção textual. Raciocínio lógico, capacidade de análise e interpretação, capacidade de fundamentação e argumentação,  ter clareza e objetividade também pesam na hora de produzir uma redação  qualificada. Não podemos deixar de relacionar a essas exigências o nível de abstração do sujeito. 

Tem uma questão subjacente que o Brasil insiste em discutir: essa norma culta é de qual língua? Essa língua da norma culta é de qual realidade? A língua viva e gestada no cotidiano de um população plural ao longo dos séculos foi codificada algum dia? 

Esse alarde todinho sobre os que tiraram zero é hipócrita. Qual seria anota média de redação (na língua portuguesa) de toda a população brasileira? Qual o real valor da educação no Brasil? Educação é um valor entre nós? Qual o tamanho de nossa indignação com o corte de 7 bilhões de reais do orçamento da Educação? 

A política educacional adotada no Brasil está nos moldes da solução elaborada pelo Barão de Munchausen para puxar a si mesmo de dentro do pântano puxando o próprio cabelo com as mãos. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...