quinta-feira, novembro 20, 2014

20 de Novembro: Que negro sou quando pardo


Toda identidade é construída. Toda identidade é processo, Toda identidade responde ao quesito do que sou eu (nós) em um contexto. Identidade é transacional, negociável e possui zonas porosas e fluídas. Nenhum humano pode ser reduzido a ser uma única face sem diminuir sua humanidade. Nenhuma causa é bastante para aprisionar o humano em uma única dimensão. 

Ser negro é ter direito ao humano: plural, multidimensional e a tudo o mais que é verdadeiramente humano: contradições, diversidades. 
Qualquer ato em prol de consciência tem que ser emancipatório e reivindicativo de identidades plurais. 

Se o essencialismo é questionável, não menos é a visão de etnicidade que a construção e afirmação política tenha um único destino, uma única forma e uma prisão do sujeito nessa própria identidade. Porque isso é uma visão restrita das potencialidades do sujeito. 

A consciência negra tem que ser uma consciência de liberdade, que liberte o sujeito de qualquer cadeia, de qualquer limitação. Ser negro é ser múltiplas formas do possível, é ser livre para se construir multiplamente em identidades. 

Sou negro exatamente onde sou índio, pardo, cristão novo...
Viva a consciência livre: 20 de novembro! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...