Pular para o conteúdo principal

Manifestações: Alardes e Alertas entre 300 reais e 0,20 centavos.


Antes das manifestações crescerem em São Paulo e  ganharem forma no restante do Brasil, ocorreu um alarde que produziu diversos alertas sobre as insatisfações e indignações que vão crescendo entre diversos segmentos sociais brasileiros.


Os tumultos ocorridos nas agências da Caixa Econômica produzidos por dois boatos, um dizendo que estavam pagando um bônus do Dia das Mães e o segundo que o Bolsa Família ia acabar. Isso foi suficiente para levar uma massa de beneficiados pelo programa a procurarem casas lotéricas e agências bancárias para fazerem saques. Esse alarde envolvendo o Bolsa Família foi promovido por quem? O que produziu isso? Surgiu uma investigação da Polícia Federal sobre o caso. Qual o resultado de tal investigação? Nada. Isto é, não chegaram a identificar nenhum responsável. Porém, diretores da própria Caixa, em diversas entrevistas, afirmaram que a Caixa tinha feito uma antecipação, um procedimento não comum etc. Moral da história: o que os diretores falaram não coincidiu com as suspeitas e versões dos membros do governo e do PT. Ficaram as interrogações: a quem interessa explorar o medo usando como causa o fim do programa Bolsa Família?  Em ano pré-eleitoral quem lucra assustando as massas atreladas ao Bolsa Família? Os que pretendem se beneficiar com o medo são os que estão no poder ou os que pretendem assumir o poder? 

O alvoroço produzido pelos boatos fez emergir vozes e uma delas ganhou muito destaque, a ponto de ser reproduzida pelas redes sociais. Trata-se das declarações de uma senhora inscrita no Programa Bolsa Família, quando entrevistada por uma emissora de televisão. No seu pronunciamento ela criou um dado significativo para pensarmos o potencial das indignações e dos protestos que ocorrem no Brasil atualmente. As declarações dadas por essa senhora está servindo, até agora, para produzir piadas e, em parte, para produzir espanto em setores das classes médias, mas se pensado com mais cuidado e atenção ele é um grande alerta. Vejamos o que disse a senhora:

"Estou com mais de oito anos que recebo Bolsa Família. Não está dando nem para comprar um calça para minha filha. Uma calça para uma jovem de dezesseis anos é mais de trezentos reais.Meu dinheiro nunca aumentou... "

Ora, esse entendimento e sentimento dessa senhora tem muito potencial de não ser um caso isolado e nele encontramos vários indicativos que exigem reflexões e questionamentos. É nítida sua insatisfação, tendo em vista que seu tempo de permanência no programa já contabiliza mais de oito anos e seu dinheiro nunca aumentou. Não teve aumento e o valor que recebe não está sendo suficiente para manter seu poder aquisitivo, o que pode ser uma revelação sobre os efeitos da inflação. Como pode também estar evidenciando uma frustração em não conseguir atingir um patamar de consumo mais elevado após oito anos recebendo bolsa família. Vejam com há um foco no consumo. 

A partir disso podemos formular algumas questões: 
- Está com mais de oito anos recebendo bolsa família e quantos anos mais vai permanecer no programa recebendo esse auxílio? 
Quase uma década em um programa desse tipo não reflete um certo imobilismo? Ou o programa é falho em aferir quem já superou essa extrema necessidade?  Ou o programa, mesmo constatando que a situação econômica do beneficiado melhorou o  mantém no programa por questões eleitorais? Ou, o que pior, existem pessoas inscritas indevidamente por força de articulações eleitorais? 
Tudo isso precisa ser devidamente averiguado.

Os líderes do PT estão em uma cama de confiabilidade de forma cega e surda. A movimentação massiva e instantânea que ocorreu por força dos boatos demonstra o quanto esses segmentos sociais têm potencial de reação e que nem tudo são flores. Necessidades brotam, sempre há alguma coisa faltando e nem todos estão satisfeitos com as coisas que o programa está proporcionando em termos de consumo. Quem pode ser contra alguém querer algo melhor? Por que não uma calça de trezentos reais? 

Para os que insistem em desqualificar ou taxar essas manifestações atuais de classe média juvenil... é bom pensar sobre os índices de aprovação aferidos pelo Datafolha, onde 81% dos entrevistados (4.717) aprovaram as manifestações. Somente 15% disseram ser contrários aos protestos. A pesquisa atingiu 196 cidades brasileiras. Será que aplicaram os questionários somente entre as classes médias? Ou tem mais classes declarando apoio?

Se as manifestações "só" por vinte centavos já produziu sérios desconforto aos poderosos, imaginem quando elas forem "só" por uma calça de trezentos reais.

Muitos estão preocupados em saber quando essas manifestações vão parar.  Porém, seria mais prudente pensar quando esses protestos retornarão e de                                                                                                                                                                                             que forma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…