Pular para o conteúdo principal

A cronologia dos erros

Autor: não foi possível identificar.

Se todos os indivíduos socializados da espécie humana parassem e, em silêncio, recobrasse todos os seus momentos de vivência social (na dimensão mais objetiva) e experiência de vida (na dimensão mais simbólica e subjetiva) encontraria vários nós explicativos, falta de sentido e direcionamento. Não só isso, calmo e racionalmente recuperando os fatos selecionados da memória, estabeleceria diversos outros parâmetros de julgamento e avaliação de seus atos. Os erros, em parte seriam relativizados, em parte abolidos, mas sempre, parece ser, haverá um erro residual, persistente na memória como uma auto-condenação. Será que é possível ao ser social se despir de todas as suas culpas ou de ser seu próprio juiz? Qual ser social não traz uma porção de controle, restrições e normas ensinadas desde os primeiros instantes de vida? Em geral, em média, do que é ser convencionalmente normal, isso é uma impossibilidade social. Se é uma possibilidade da existência física individualizada, ela não consegue ser também social. Porque na existência social os elementos da vida são transacionados continuamente, o próprio uso da linguagem abre um campo de concorrência entre o que o ser representa e significa no discurso que se estabelece no coletivo. Você se faz o não-juiz de si, mas os outros tentam sempre reconstruir o juiz que você deve ser de si enquanto imagem da vontade do permitido e valorado pelo coletivo. Os erros assim seguem uma cronologia que nem sempre segue a vontade particular do indivíduo na sua classificação individualizada. O sentido do erro teria uma independência significativa no que diz do eu humano, nunca liberto do nós? Em qual medida e condição do real? Tomaria alguma forma perceptível e tangível na realidade? Há um erro estritamente construído pelo indivíduo e totalmente particularíssimo, só sendo erro para ele? Subjetivamente é possível o indivíduo tomar como errada uma ação sem que esse tipo de ação integre o rol das ações repudiadas ou indesejadas pelo coletivo. Também pode estabelecer uma cronologia que desconsidere o tempo físico e social. Porém, o termômetro da sua conduta não fica preso somente a ele, quando ele está vivendo em sociedade. A sociedade sempre fixa um termômetro para a conduta de cada indivíduo que pode estar ou não sincronizado com o que o indivíduo criou para si. Enquanto termômetro subjetivamente utilizado exclusivamente pelo indivíduo só pode ter suas marcações através de um discurso e interpretativo desse indivíduo, o termômetro fixado pela sociedade é possível ser interpretado publicamente, em um ou vários discursos, tendo como fundo um código social de delimitação do permito e do proibido, do certo e do errado. Todo código de dimensão social só existe com um mínimo consenso, seja qual for o ato ou motivação que lhe deu origem. Qual a utilidade da cronologia dos erros? É útil para ordenar a própria avaliação. De si para si vendo que fez e o que não faz mais, avaliando-se positivamente ou negativamente (o reconhecer oculto). Recorrer à pontuação do tempo para atenuar ou anular a culpa, pondo o que poderia ser e que não poderia ser avaliado em um certo período tempo. A culpa não poderia ser cobrada em um momento que o indivíduo gozava de total inocência. Podendo ainda ser atenuado ou diluído o sentido do erro através da evocação ao desconhecimento, à falha de percepção, à desinformação etc. O erro será cronologicamente constituído nos limites da individualidade e da coletividade. O erro em qualquer condição precisa de significado e de avaliador. (Depois continuo) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…