Pular para o conteúdo principal

Sucessão no Maranhão: Barulho cego


Quais as chances de haver alternância política em 2014 no Maranhão? Achei essa pergunta um tanto quanto ampla e fiz outras perguntas: a alternância a quê? Em qual nível de poder político? Por que em 2014? 

A alternância pode ser efetivada de diversas maneiras e em níveis diferenciados. Se essa alternância for no sentido de troca de comando, acredito que é possível. 

No Maranhão há uma ditadura do pensamento, onde uma interpretação simplista da realidade impera há décadas. Nela tudo tem uma única causa e só um elemento motor. Isso também é uma ideologia por onde inúmeros sujeitos do campo político justificam suas atitudes e tentam esconder seus erros, falhas e incompetências. 

Uma alternância de controle não necessariamente implica em mudança da forma de exercício de poder, particularmente no que tange os valores e padrões de concertos. Não só isso, não há grupos isolados e agrupamentos políticos sem nenhum ponto de convergência nos três níveis: municipal, estadual e nacional. 

Além disso, é de se notar uma porosidade imensa nos diversos grupos que compõem a classe política maranhense, principalmente por força das pressões do familismo e a parentela. Outros arquétipos  - tomados aqui  nas acepções dadas por M. Debrun e Oliveira Viana - comuns à cultura política brasileira também propiciam essa porosidade e a permissividade, a saber: o privatismo, o patrimonialismo e a clientela. Esses elementos e  as exigências conjunturais da dinâmica do jogo eleitoral inviabilizam uma alternância sem herança, sem contágio, sem adesões casuísticas. Dentre esses arquétipos o mandonismo tem fortíssimo vigor e tipifica nossa cultura política. Tomar o poder é uma coisa, mudar a cultura política é outra coisa (e bem mais difícil). 

Parafraseando Ferreira Gullar: Mandões somos todos em suma! Uns, por muitas coisas, outros por coisa nenhuma! A superação do mandonismo no Maranhão está enquanto possibilidade histórica e não como um determinismo ou missão de um eleito. O governo arquipélago do Sr. Jackson serve tanto para ilustrar a porosidade/permissividade quando a condição de possibilidade histórica acima referida. 

O Maranhão não é exceção em termos de cultura política de tipo mandonista, autoritária, mas é o local onde isso é sentido de maneira mais aguda. Porque aqui se efetivou uma hegemonia oligárquica muito duradoura e acentuadamente forte em relação às demais oligarquias espalhadas pelos diversos municípios do estado. Famílias exercendo o poder político de forma oligárquica é uma constante em todo o estado do Maranhão. O Maranhão é um conglomerado de oligarquias, mas uma oligarquia  conseguiu tomar com vantagem alargada a hegemonia  estadual, ultrapassando o  localismo das demais e ganhando expressão nacional. 

Essa força avantajada de uma oligarquia sobre as demais fez, nas últimas cinco décadas, inexistir rotação de elites e reduzir os momentos de ajuste intra-oligárquico. A alteração de comando possível em 2014 tem mais chance de efetivação como ajuste intra-elite, bastante matizada por uma forma de transição por conciliação do que por uma forma de banimento e ruptura total com o grupo político dominante. Mais improvável é ser fruto de uma superação do tipo de  cultura política existe. Superar esse tipo cultura política requer muita vontade, esforço e tempo, mas balizados pela probabilidade. Só os tempos sociais e históricos poderão confirma o êxito de tal empreitada. Certeza nenhuma! 

Qualquer pessoa capaz de reter um pouco de suas pré-noções, de seus preconceitos e de seu passionalismo vai ver que existem várias oligarquias menores no Maranhão e que os males do Maranhão não  são frutos de um homem só e de um grupo só. Há por aqui uma cumplicidade em rede, em todos os níveis e em todas as instituições. Não só isso, também está na base. Só não ver quem não quer. Basta circular pelas diversas regiões do estado e perceber que não falta só a vontade do governante. Superar essa ideologia monocausal na forma de verdade, tem que fazer parte do esforço de criar um novo momento, uma nova etapa política para o Maranhão. Essa "verdade" virou um barulho, mas é de pura cegueira!  

Quem tem realmente compromisso com outros valores vai sempre se esforçar para ir depurando os processos, mesmo com tanta porosidade e diante da necessidade de certas conciliações. 

Por isso, quem desejar assumir o controle político do governo estadual é bom não criar expectativas demais. Um pouco de realismo vai ser bastante útil a curto e a médio prazo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…