Pular para o conteúdo principal

Chacal e a poesia marginal..



Na foto: o poeta Chacal, ontem (01/12/12) no Ceprama. 
O poeta fez uma palestra abordando sua trajetória literária, destacando sua participação no movimento que denominou de poesia marginal. Marco cultural da década de 70/80. 

Na sua definição a poesia marginal surgiu como um cordel urbano precário, tentava colocar no papel e para os olhos as influências do pop e rock n' roll e marca o início das experiências urbanas de uma sociedade de consumo. "Fala do que as pessoas faziam no cotidiano". 


Afirmou que, no início da sua carreira poética, não conhecia muito de poesia. Sua ideia de poesia era a da escola, a poesia clássica e parnasiana, e que as via como chatas. Desconhecia Bandeira e tantos outros poetas modernistas. Até que um dia conheceu a obra de Oswald de Andrade e achou ali a maneira como queria fazer poesia. 

Os primeiros livros foram impresso através do mimeógrafo a álcool e vendidos por ele mesmo nas ruas. Confessou que logo no início a poesia marginal foi duramente criticado pela academia (centro acadêmicos: universidades etc) que a denominou de poelixo. Os primeiros reconhecimentos aconteceram por partes de artistas como Caetano, Gil, Torquato Neto.. 

Há vinte anos coordena um projeto cultural que promove saraus, recebendo patrocínio da Prefeitura do Rio. Segundo o poeta, é assim que consegue pagar suas contas todo mês.

"quanto mais louco lúcido estou
no fundo do poço que me banho
tem uma claridade que me namora
toda vez que eu vou ao fundo

me confundo quando boio
me conformo quando nado
me convenço quando afundo

no fim do fundo eu te amo"

Delírio Puro - Chacal, 1972. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…