Pular para o conteúdo principal

O Futuro na perspectiva da Caritas



Texto da Caritas:
O futuro na perspectiva da Caritas: Todos com fome de justiça, equidade, sustentabilidade ecológica e co-responsabilidade!

O mundo atravessa, há alguns anos, uma crise sem precedentes que se caracteriza por suas dimensões sistêmicas e internacionais. Esta crise é, na realidade, uma conjugação de várias crises (alimentar, energética, climática, financeira, humanitária, econômica e social), que tem como consequência o aumento das desigualdades, da exclusão, da violência, dos conflitos, das migrações forçadas, do empobrecimento de um número cada vez maior de pessoas e o escândalo de 1 bilhão de pessoas que passam fome.
Frente a esta crise, a Caritas Internationalis, uma confederação mundial de 164 organizações solidárias católicas, reafirma seu enfoque em um desenvolvimento integral humano solidário, entendido como uma perspectiva completa, que leva em consideração a interdependência da família humana e seu bem-estar, em suas diferentes dimensões: econômica, social, política, cultural, ecológica e espiritual, com o fim de alcançar uma sociedade baseada nos princípios de fraternidade, justiça, equidade e solidariedade.
A Caritas defende o enfoque do desenvolvimento humano, por meio do respeito e da realização dos direitos humanos (incluindo o direito ao desenvolvimento). Erradicar a fome, a pobreza e a exclusão são prioridades fundamentais para a Caritas.
Conclamamos a uma mudança de paradigma, a uma nova civilização do amor pela humanidade, que coloque a dignidade e o bem-estar de homens e mulheres no centro de toda ação. Todo compromisso que se assuma na cúpula da Rio+20 deve validar esta perspectiva. Conclamamos os líderes do mundo a enfrentar este desafio, com valentia e confiança, a fim de que esta cúpula seja uma mensagem de esperança para a humanidade, sobretudo para os pobres e excluídos.
"Sem verdade, sem confiança e sem amor pelo verdadeiro, não há consciência e responsabilidade social, e a atuação social se deixa a mercê de interesses privados e de lógicas de poder, com efeitos desagregadores sobre a sociedade, ainda mais em uma sociedade em vias de globalização, em momentos difíceis como os atuais.” (CiV 5)
No caminho dessa mudança, na qual esperamos que a Cúpula na Rio+20 seja uma pedra angular, cinco elementos/dimensões são fundamentais:
1) Um futuro sem fome
Conclamamos os(as) líderes para fazer da luta contra a fome uma prioridade e assegurar o direito à alimentação. A alimentação é a base para poder desenvolver nossas capacidades e talentos. Sim, como o documento zero afirma, 1/6 da população do mundo está subalimentada (75% deles são pequenos camponeses). Esta mesma população não pode contribuir totalmente para o bem de suas comunidades nem de suas famílias. Estamos desperdiçando importantes recursos humanos, que são essenciais para a saúde do nosso planeta. A única fome que deveríamos sofrer é a fome pela justiça, equidade, sustentabilidade ecológica e corresponsabilidade.
2) Um futuro com visão
Conclamamos a que se mantenha a visão contida nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e o compromisso dos lideres para aplicá-los. Representam hoje um guia para o desenvolvimento sustentável e para um mundo mais justo. É importante aprofundar o sentido desses objetivos com as pessoas mais afetadas adaptando-os às necessidades de hoje. Além disso, é essencial que um marco renovado de tais objetivos contenham compromissos por parte dos países desenvolvidos para que se envolvam na promoção de um modelo de desenvolvimento a favor do bem-estar de toda a humanidade, priorizando a justiça, a equidade, a sustentabilidade ecológica e a corresponsabilidade.
3) Um futuro de cuidados com a nossa casa: A criação
Conclamamos a que a capacidade transformadora do ser humano seja utilizada para o cuidado da criação e se incentivem ativamente projetos, ideias e medidas que cuidem do ambiente. Nossos ambientes de vida, sejam eles rurais ou urbanos, devem caracterizar-se por uma vida digna e sã com máxima sustentabilidade ecológica. O foco de conquista e de exploração dos recursos naturais tem predominado e a se estendido, ameaçando hoje a própria capacidade de acolhida do meio ambiente: o ambiente como ‘recurso’ coloca em perigo o ambiente como ‘casa’. A incontrolada transformação do território pela atividade humana favorece o aumento da vulnerabilidade dos espaços e das sociedades, trazendo também consequências injustas por afetar principalmente os grupos mais pobres e desfavorecidos, que muitas vezes não são sujeitos causadores de práticas arriscadas.
4) Um futuro com o novo marco econômico verde
A Caritas apoia a ideia de uma economia verde, desde que respeite princípios éticos, de equidade e solidariedade. Conclamamos a que a construção de uma visão de "economia verde” não substitua, ou deixe de fora, as premissas correspondentes ao "desenvolvimento humano, integral e sustentável” construídas há décadas, já que existe uma genuína preocupação, da parte das organizações em todo o mundo, de que o novo conceito de "economia verde”, leve em si mesmo o modelo de mercado como eixo fundamental e, por tanto reforça os princípios neoliberais do crescimento como meta; o mercado como gestor da sustentabilidade; o aumento de preços além do imaginável; maior privatização dos bens comuns (água, oceanos, bosques) e planos de ajuste estrutural ambiental. A Doutrina Social da Igreja é definitiva no chamado a buscar novas maneiras de distribuição e a privilegiar a pessoa em toda sua integralidade, sobretudo os sujeitos mais vulneráveis, para que tenham uma vida digna, e isto confronta claramente muitos dos princípios do modelo centrado no mercado. O novo marco econômico não deve centralizar-se na maximização de benefícios, mas deve favorecer o trabalho digno, dando esperança sobre tudo aos milhares de jovens que estão sem trabalho.
5) Um futuro que respeite mulheres e homens criados à imagem de Deus: um novo contrato social
Conclamamos a desenvolver um código de conduta para uma cidadania global solidária, isto significa definir um novo contrato social que leve em conta nossa interdependência e convoque a atuar como cidadãos(ãs) responsáveis pelo bem comum. Todos e todas somos consumidores dos produtos da criação e, como sujeitos responsáveis, podemos optar por maneiras de viver que favoreçam o desenvolvimento, cuide do meio ambiente e reduza os efeitos negativos para os mais pobres. Por isso, propomos um modelo econômico que inclua dinâmicas de democracia participativa e promova a dignidade humana, o desenvolvimento humano sustentável e a distribuição da riqueza. Conclamamos a todas as pessoas de boa vontade a estabelecer uma cultura de respeito e de diálogo que possibilite o acesso aos direitos e à justiça.
Roma, Junho de 2012
Caritas Internacional
http://www.caritas.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…