Pular para o conteúdo principal

Brazilian Football: Deterioração de uma paixão



Reclames e múrmuros contra a CBF surgem de tempos em tempos, mas sem obter o eco necessário. Parece que o silêncio acompanha a CBF. O que leva a crer que sua parceria com os grandes meios de comunicação produz uma invisibilidade e uma blindagem sem precedentes.

A entidade controladora do futebol brasileiro acaba não sendo investigada por nenhum dos grandes da comunicação do país. É uma caixa preta, sem nenhuma transparência e regida por um controle oligárquico.

Essa oligarquia do futebol tem ampla articulação com os poderes políticos em cada estado. Mix de negócios milionários que ficam sem as devidos controles fiscais. Se a Confederação não inspira confiança, as federações estaduais muito menos.

No rastro dessa forma de ser da CBF está também a deterioração de um patrimônio cultural brasileiro: a torcida pela seleção. Forma ímpar e singular de manifestação de nacionalismo. Pois é no período de Copa do Mundo que importantes símbolos nacionais são apaixonadamente movidos pelo povo: bandeira nacional e hino nacional. Não são datas cívicas que estabelecem esse ufanismo, mas uma modalidade esportiva: o futebol.

A mercantilização empresarial da marca da seleção e dos negócios da CBF, principalmente depois de uma “parceria” com a Nike, tirou do corpo dos brasileiros a camisa da seleção. Cada vez mais raro se ver um brasileiro com a camisa da seleção, ao contrário de tempos atrás, quando todos podiam ter uma camisa da seleção. A Nike nos despiu de nosso patrimônio e, em parceria com a CBF, está matando nossa paixão pela seleção.

Em duas lojas de material esportivo e em duas seções de material esportivo de dois magazines e não encontrei a camisa da seleção. No entanto, camisas da Argentina, da Itália, Portugal, Inglaterra e de vários de times estrangeiros lotavam as araras. Já é comum encontrar brasileiros ostentando camisas de seleções estrangeiras, não só vestem as camisas como torcem para essas seleções.

Cadê a camisa da seleção? A camisa da seleção brasileira virou um artigo de luxo, com preço elevadíssimo. O que não permite a maioria dos torcedores realizarem tal compra. Com baixa saída e preço absurdo, o produto acaba ficando não atrativo nem para o torcedor nem para os comerciantes. O que as lojas oferecem são camisas amarelas com um nome Brasil estampado.

No rastro desse esquema está o monopólio das transmissões dos jogos pela Rede Globo, que estabelece horários de jogos que dificultam a ida dos torcedores aos estádios, que impede muitos torcedores de acompanharem os jogos de seus times pela TV.

A TV Globo, canal aberto, definiu que os maranhenses só podem assistir os jogos dos times do estado do Rio de Janeiro.  Não se tem opção no canal aberto. Essa é a estratégia para vender pay-per-view utilizado por essa emissora.

Fica mais fácil acompanhar o campeonato italiano, o inglês, o espanhol e até o russo, tudo por conta desse monopólio, dessa falta de concorrência e desse cerceamento do direito de escolha do cidadão. Qual seria o posicionamento da Rede Globo se só uma TV estatal transmitisse o Campeonato Brasileiro (Brasileirão)?  Diria, no mínimo, ditadura, stalinismo ou chavismo etc.

Então, em nome da democracia, precisamos quebrar com esse monopólio. Ou, simplesmente, acabar com esse monopólio em nome da defesa da economia popular.

Alguns pontos pedem esclarecimentos de forma urgente: a) A Seleção Brasileira, enquanto um valor patrimonial, é coisa pública ou privada?; b) Mesmo que privada, a Seleção Brasileira é de valor e de interesse públicos?;c) Ou, simplificando, a Seleção Brasileira é patrimônio exclusivo/particular do senhor Ricardo Teixeira?  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…