Pular para o conteúdo principal

SÓ JESUS


Ao contrário do que dizem os desinformados e de má fé, os indícios históricos da existência de Cristo ganham cada vez mais elementos comprobatórios de origem arqueológica/documental. Não só isso, o que seria pouco, mas a grandeza de sua vida e de suas ações ganham mais importância diante das descobertas sobre o contexto em que viveu. Olhos que até recentemente faziam questão de ignorar seus feitos, agora reconhecem a amplitude e o vanguardismo de suas atitudes. Terry Eagleton, no  livro Jesus Cristo: os evangelhos, lançado pela Jorge Zahar Editores, faz a apresentação, onde constrói uma singular avaliação sobre o fato se Jesus foi ou não um Revoluncionário. Trate-se de um tetxo muito interessante, mas não inquestionável ou sem imprecisões. É valioso pela sua fecundidade e pelas provocações que traz. Alguns trechos, porém, são nítidas reproduções de interpretações judaicas já conhecidas, onde as razões da morte de Cristo são relativizadas. Mas, no todo, a apresentação é um texto valioso. Dentre tantas questões e inovadoras interpretações feitas por Eagleton, destaco essa:
“À semelhança do socialismo para Marx, o domínio da justiça é, a um só tempo, imanente ao presente e uma meta a ser atingida. Mas não pode haver transição suave do velho para o novo, à maneira do socialismo evolucionário. Dada a urgência e a severidade de nossa condição – aquilo a que os Evangelhos se referem como ‘o pecado do mundo’ -, alcançar uma ordem social justa envolve passar pela morte, pelo nada, pela turbulência e o autodespojamento. Este é o significado da descida de Cristo ao inferno depois de sua crucificação. A humanidade só pode ser refeita por meio de um encontro com o Real da destituição. E isso, ao fim e ao cabo, dado nosso estado patológico de auto-ilusão, só é possível pela graça de Deus.”
Faço, aos navegantes de primeira viagem, as seguintes observações:
Os Evangelhos foram escritos em período bem anterior à existência de Karl Marx (riso, não custa nada lembrar); faltou Eagleton dizer que Marx de forma copiosa monta o itinerário e os pontos culminantes do Manifesto Comunista aos moldes da Histórica Salvívica Cristã; Jesus, o Cristo, ao contrário de Marx, não descartou ou diminuiu as potencialidades do "lupemproletariado", mas os anunciou como os que possuem maior potencialmente de serem aceitos no Reino dos Céus; Jesus mesmo anunciando o Reino dos Céus e mandando dar a César o que é de César, deu de comer aos famintos, curou os enfermos, consolou os aflitos e os amou; Jesus, contrariou toda a mentalidade de sua época ao se aproximar e conviver com os mais discriminados e desvalorizados socialmente: fez chegar até Ele as crianças, as mulheres, os enfermos, as prostitutas, os miseráveis, os perseguidos etc. As Crianças eram totalmente desprestigiadas na sua época, taxa de mortalidade entre elas era altíssima. Jesus deu voz às mulheres e tiveram destaque como protagonistas de sua história: no nascimento, no ministério, na morte e na ressureição as mulheres estão testemunhando sua Glória. Basta ver o diálogo que Jesus tem com a samaritana,  é o mais longo diálogo Dele com alguém. Jesus abraçou os miseráveis e enfermos, os curou, comeu e dormiu entre eles. Proclamou a verdadeira, completa e perfeita perda de todos os grilhões: A vida Eterna! Não existem maiores radicalidades do que o convite a amar o irmão de forma incondicional e vencer a morte pela fé e pela esperança na Vida Eterna! Veja! O convite é para a Vida e não para morte! É um Deus de vivos e não de mortos!
Enfim, considero que o mais notável de tudo é a Santidade de Cristo. As comprovações da existência histórica de Jesus servem cada vez mais para revelar a sua Santidade. Que homem era esse capaz de tamanhas coisas?
LEITORES: FELIZ NATAL... PAZ, AMOR E LUZ!

Comentários

  1. Chico,
    Um Feliz Natal, repleto de alegrias, paz, saúde, harmonia e solidariedade (e muito jazz também)!
    Abração, compadre!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…