Pular para o conteúdo principal

OS OUTROS HONORÁVEIS




FHC, em sucessivas tentativas fracassadas, tenta ganhar espaço e visibilidade no cenário político nacional. Como uma múmia tentando sair do sarcófago, o ex-presidente, ex-ministro e sociólogo busca uma fresta por onde passar e entrar em evidência novamente. Já tentou vários motes, fez ataques aos pronunciamentos do Presidente Lula, tentou desqualificar os avanços sociais no Governo Lula, tentou ligar a imagem do Presidente Lula ao autoritário Chávez, mas nada disso deu certo. Não teve eco e o povo ignorou os ataques ao seu Presidente.
Uma das mais patéticas aparições de FHC foi no Programa do Jô Soares. Na ocasião FHC riu e ironizou o que seria uma ignorância do Presidente Lula, por esse ter definindo a crise de “uma marolinha”. FHC, sem nenhum cuidado, disse que o Presidente Lula não sabia o que estava dizendo.
Por último às voltas e combinado com Caetano Veloso deflagrou outros ataques a Lula, mas, sem respaldo da credibilidade popular, o povo ignorou o que ele falou e repreendeu Caê (notório honorável da corte de ACM), até dona Canô ficou a favor de Lula.
FHC, um ego doentio, não desiste de querer ganhar visibilidade, agora se agarrou, tardiamente, no caso Estadão VS. Família Sarney (entrevista no Estadão de 20/12/2009). Só agora FHC viu que o Estadão está sendo censurado de forma prévio e que essa medida é vergonhosa e atenta contra a liberdade de expressão democrático e fere o princípio republicano de publicidade sobre as coisas públicas. Só agora viu que crime contra a coisa pública não é coisa de vida privada, íntima, mas questão pública e que deve ser tornada pública. Crime é crime. Estado de direito todos tem iguais direitos e deveres, assim mesmo é a regra para quem cometeu atos ilícitos.
Qual a verdadeira pretensão de FHC dessa vez? A liberdade de imprensa? Não! É mais uma vez atacar o governo Lula, pois atribui a censura ao Estadão como coisa do governo Lula. Vejamos: “ Fui presidente, ministro, a crítica sempre incomoda. Mas a função de quem está na mídia é criticar, e de quem está no governo é entender a função da mídia”. Ora, é nítido como ele liga “quem está no governo” com a censura imposta ao Estadão. Por que ele não disse: a Família Sarney?
E logo em seguida joga mais veneno: “Mas não pode, como agora, antes de qualquer coisa, dizer que você não pode entrar em tal matéria. Me parece absurdo”.
Covardemente omite o nome dos Sarney e fala de “como agora”, que traduzindo quer dizer no período do Governo Lula. O que é isso?
FHC, por falta de originalidade e flagante desgaste da sua imaginação sociológica, repete copiosamente a fórmula do seu algoz eleitoral Jânio Quadros. FHC simplesmente trocou ocultas por culturais para explicar a existência de terminados arquétipos da nossa vida política. Vejamos: “Que forças são essas?
Forças culturais. Isso vem da nossa cultura, que é formada numa visão onde a separação entre o público e o privado é confusa, onde o favoritismo, o clientelismo e o arbítrio permanecem como uma tendência. Aqui a ideia de quem pode pode, quem não pode se sacode é generalizada.” Por que não falou do mandonismo e deu nome aos mandões, que participaram ativamente em seus dois governos? Que covardia!!!
Enfim, FHC deixou a veia sociológica e enveredou pelo humorismo: “Infelizmente, dada a anestesia no Brasil, a reação é pequena. Deveria ter sido maior. Estamos vivendo um momento difícil porque vem junto com a expansão da economia. Como é o mercado que rege a sociedade no Brasil, infelizmente, o resto fica obscurecido. É uma pena. Espero que agora, com a eleição, a sociedade desperte um pouco mais.”
Só pode ser piada. FHC agora é anti-doutrina neoliberal, está criticando o mercantilização da vida!



Comentários

  1. dor de cotovelo! Ainda bem que gesuis mando o Serra pra por fim nessa balela.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…