Pular para o conteúdo principal

Pedrinhas, Ataques, Demônios ocultos e a lei anti-terror

Ataques e Pedrinhas. As rebeliões em Pedrinhas e os ataques contra a ordem pública em São Luís, orquestrados por criminosos, também ocorreram nos governos anteriores ao de Flávio Dino. O que há dentro e fora desse presídio que alimenta esses ataques, rebeliões etc. ? Nada há a ser revelado e esclarecido? 

Os ataques abertos contra a ordem pública coloca o Estado Democrático de Direito em suspensão e aterroriza os cidadãos. 

Os ataques provocaram terror social  generalizado, expôs pessoas e patrimônio ao perigo e feriu a paz pública. Resultou em prejuízo a bens e  aos serviços essenciais. Além de impedir o gozo dos diretos constitucionalmente firmados aos cidadãos, como o de ir e vir e à segurança. Esses atos e a dimensão da consequência deles não podem mais serem vistos como ação da criminalidade "comum". Não. Isso já extrapolou a criminalidade regular (mediana). O que aí está posto é um claro afrontamento à ordem social e política. Porque desafia o Estado no seu monopólio dos meios de gestão e nega sua legitimidade como entendida ordenadora. Isso não é um assalto a banco, uma carteira furtada e nem um carro arrombado. Não. Isso é uma questão de Estado. 

O outro lado desse problema são as nossas leis. A lei anti-terrorismo (Lei nº 13.260 de 18 de março de 2016) é uma verdadeira panaceia, vaga e sem lógica. Na sua bizarrice legislativa começa dizendo que terrorismo são ações por "razões" religiosa, racial ou xenofóbica. Depois caracteriza as ações consideradas como terrorismo. A falha dessa lei é abismal. Ao reduzir o terrorismo a essas razões expressas, todas as demais razões que possam ser evocadas ficam fora dessa tipificação. Sem essas razões explodir uma estação de metrô, uma adutora de água, incendiar uma cidade inteira etc. e não vai ser terrorismo? Em qualquer lugar do mundo, onde existe legislação anti-terror, ações de proporções danosas como as citadas, independentemente da motivação (razões), é terrorismo. Isto é, essa limitação do enquadramento de terrorismo à tais razões faz dessa lei mais pró-terror do que anti-terror.  Porque hoje os grupos mais organizados e com força letal são de criminosos. 

Ora, esses legisladores fizeram tal lei para não abarcar as supostas razões "políticas", em uma clara permissividade à tomada de poder pela via violenta. Só que isso também deixou o caminho aberto para criminosos buscarem impor uma ordem e tomar ou se impor como um poder soberano através da violência. No entanto, a mal feitura da lei deixou também dá margem para que  a razoabilidade hermenêutica seja usada. O que falta, antes de uma mudança na lei (é necessário mudar essa lei logo), é que algum magistrado tenho um entendimento favorável à sociedade e comece a enquadrar ataques, como esses ocorridos em São Luís, como terrorismo.

Esses senhores do crime com esses ataques não querem só uma vida delituosa, querem é poder. 

Para adensar o problema existe uma legião de "pessoas de bem" têm a maior sensibilidade em reclamar a legalidade a favor dos criminosos, mas uma total indiferença ao sofrimento e dor geral da sociedade. Essas "pessoas de bem" , em geral de classe média, são pessoas que precisam também de ajuda, porque são doentes e o que fazem mesmo não é ajudar presos etc., mas alimentar ocultamente seus "demônios" de ódio contra a sociedade. O que querem é punir a sociedade pelas desgraças, traumas e frustrações que carregam em suas vidas. Essas pessoas, com essa tara criminosa, são os que mais fazem os criminosos se sentirem motivados para aumentarem seu poder frente à sociedade. 

Diante disso, temos que optar entre sucumbir à ordem pessoal desses senhores do crime ou reforçar a institucionalidade do Estado e seu caráter público e democrático. Entre uma ordem pessoal de senhores dessa natureza e um poder institucionalizado no Estado, eu prefiro ainda o Estado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…