quinta-feira, abril 23, 2015

O indivíduo humano por Durkheim

O Durkheim é, no Brasil, um conhecido de obra desconhecida (não lida). Tudo que se aprende ainda hoje nas universidades são versões marxistas do que seria a obra de Durkheim. Em geral, trata-se de um reducionismo do autor ao funcionalismo, positivismo e, maldosamente, ao conformismo. Mas, Durkheim tem uma obra variada e momentos diferenciados de sua carreira. 

Ao discutir o fenômeno moral registra sua visão sobre o indivíduo humano assim:

"O que ocorre é que não somos seres inteiramente racionais, somos também seres sensíveis. Ora, a sensibilidade é a faculdade mediante a qual os indivíduos se distinguem uns dos outros. Meu prazer pertence somente a mim, reflete apenas meu temperamento pessoal.
"Em Deus, onde tudo é razão, não há lugar algum para um sentimento desse tipo: nele a moral se realiza com uma espontaneidade absolutamente autônoma. Mas o mesmo não ocorre com o homem, ser composto, heterogêneo e dividido contra si mesmo. 
"Toda a nossa natureza tem necessidade de ser contida, circunscrita, limitada, tanto nossa natureza passional quanto nossa natureza racional. Nossa razão, com efeito, não é uma faculdade transcendente; ela faz parte do mundo, e, por conseguinte, submete-se à lei do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...