Pular para o conteúdo principal

Falência de um modelo: hoje dois policiais PMs foram mortos em São Luís.

Hoje dois policiais PMs foram mortos em São Luís. 
O primeiro foi alvejado na tarde desse domingo na Avenida Beira Mar, na área do Mercado do Peixe e o outro, horas atrás, na Forquilha. 

Os homicídios estão se multiplicando em São Luís em uma velocidade assustadora. Nessa estatística de homicídios, salta aos olhos o fator arma de fogo. Como tantas armas estão entrando e sendo distribuídas a criminosos nessa ilha? AÍ tem uma clara e notória herança de uma péssima gestão na área de segurança pública. Não existe nenhuma ação consistente de desarmar e impedir essa proliferação de armas de fogo nas cidades situadas na ilha. Quem está fornecendo tantas armas para esses indivíduos?  

Ampliando a questão. Há uma nítida falência na estratégia e na tática de combate à criminalidade. Não existe nada de consistente para barrar essa escalada da criminalidade e da violência entre nós. Como agravante, em nosso meio, alimentamos  uma visão ortodoxa sobre a violência, de caráter biologista e acompanhada da naturalização do conceito.  Em geral, essa tradição gera esquemas explicativos pautados na carência econômica ou o excesso de  abundância que gera um individualismo destruidor. No fundo de todas essas explicações pautadas nesse esquema está um indivíduo desequilibrado, que não deu certo e nada a mais. O criminoso é visto de uma forma reduzida. Algo que deixa de fora toda a complexidade da violência e do que é essa criminalidade contemporânea. 

A violência que cresce não é coisa instintiva e de falta de racionalidade.  Essa concepção, na verdade, sustenta a noção simplista de enfrentamento do problema, colocando a Polícia como a única responsável no combate à violência e à criminalidade. Colocar a Polícia na repressão como a resposta central é uma estratégia já fracassada. As polícias no Brasil mataram em 5 anos o que as polícias americanas mataram em 30 anos . Mas O Brasil também é um dos lugares com altos  índice de policiais mortos. Porém, a criminalidade e a violência aumentam. 

A questão é maior, bem maior e inexiste políticas de segurança pública amplas e consistentes. Não há uma ampla coordenação das ações, nem envolvimento de outras entidades que possam colaborar para desmobilizar o contexto de produção do criminoso e da criminalidade. Não existe uma sistemática política de redução da violência e de promoção da pacificação. 

O confronto armado direto é uma luta inútil que está produzindo criminosos cada vez mais armado e especializado em combate. Ao passo que o criminoso é sistematicamente morto,  ele busca se armar mais, com armas mais potentes e com maior maior investimento em estratégias de confronto. A disposição e o destemor dos criminosos tem crescido assustadoramente. O criminoso de hoje não sai mais só para praticar um ato contrário a lei, mas confrontar em todos os níveis a ordem social, é uma ação por controle de poder. Não é só questão de Polícia, mas questão de Estado.  Enquanto isso não é claramente percebido e a insistência nesse falido modelo de policiamento, o resultado é um sacrifício em massa de jovens. Jovens policiais e outros jovens que estão nessa nova ordem da criminalidade. 

Esse modelo de policiamento pautado no combate não faz cessar a produção da criminalidade, não desmonta o que fomenta e sustenta o crime. É uma falsa solução, é um sacrifício inútil e uma medida irresponsável. 

A Polícia vai perdendo espaço e sendo rejeitada por parte significativa da população. Ora por ser vista como ineficiente, ora pela face violenta. A Polícia acaba responsabilizada por aquilo que está além de sua competência. Polícia usada como exército, com armamento pesado em confronto letais, em si, já é testemunho de um fracasso em termos de segurança pública. 

É preciso decisões Políticas, compromissos que deem efetividade a uma responsabilidade social ampla contra a violência e na desarticulação da produção dessa barbárie. Para isso, faz-se necessário ações e investimentos em diversos setores através de instituições públicas e da sociedade civil. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…