Pular para o conteúdo principal

Eleição sem empolgação... 50% inusitado



No Maranhão.  A campanha já ocorreu parcelada ao longo dos últimos quatro anos. Tudo que já tinha que ser confrontado, denunciado, questionado, analisado, criticado já ocorreu. As denúncias recentes envolvendo o grupo no poder não choca mais, porque assumiu um padrão de rotina. Não choca, mas consolida a rejeição e necessidade de pôr fim nesse mando. Mando que já está tendo um fim tardio. 

O primeiro adiamento do fim foi a morte de Tancredo e alinhamento de Cafeteira com Sarney (o legado dessa união foi o famoso Aterro do Bacanga). Nesse caso o grupo Sarney ganhou um sobrevida forte.

O adiamento mais recente compreende três fatos: cassação "legal" sem lei de Jackson, a eleição de Castelo para prefeito (apoiado pelo PDT) e a contesta vitória de Roseana em primeiro turno, em 2010. 

Desaparecer politicamente de forma instantânea o grupo Sarney não vai. Empresarial é muito forte ainda. Eles ainda possuem aliados-cumpridores-de-ordem na Câmara Municipal, na Assembleia Legislativa, na Câmara Federal, no Senado, no Judiciário,  no Ministério Público, na Polícia Militar, na Polícia Civil e no Tribunal de Contas. A rede de favores e gestos de gratidão. Já a família Lobão parece que não goza dessa mesma possibilidade. 

Agora é também muito provável que os Sarney consigam assumir o papel principal de oposição nos próximos anos. Primeiro, a incapacidade de fazer Política de parte da ultra-esquerda. Segundo, a posição anti-sistêmica de outra parte da ultra-esquerda. Terceiro, filigranas subjetivos, estritamente pessoais, passionais e de vaidades. 

Tem gente que ainda está fazendo campanha de DCE, mas querendo tomar o controle da política no Maranhão e, vários outros, estão atolados em rompantes egocêntricos, vaidade pura e mágoa. Tipo assim, tem candidato que ataca Flávio porque não foi alçado à condição suprema de O Candidato de Flávio. A velha e tola atitude de colocar prestígio à prova. Prestígio não se coloca à prova. 

Triste ver a falta de estratégia, que foque na ampliação do campo político, possibilitando maior participação. O mais sensato seria focar o alvo que representa a continuidade do que está aí e depois equacionar os pontos de divergência dentro da oposição. Buscando principalmente garantir que a hegemonia da oposição, caso a situação perca, fique entre os demais grupos que compõem hoje a oposição. Ver a família Sarney como a principal oposição à Flávio é sim, sem dúvida, um sem querendo ser meia dúzia.

Essa ausência estratégia mais ampla é um grave problema dessa ultra-esquerda. Não se decidir em ser anti-sistêmica ou sistêmica só tem produzido distanciamento de quem eles querem representar e ser a voz. Se quer galgar espaço no âmbito institucional, na mais óbvio que mobilizar recursos operar a partir da institucionalidade. Essa combinação de ser anti-sistêmico e sistêmico ao mesmo tempo está pouco produtiva. Inconsistente a postura de se colocar como partido de massa e existir como partido de quadro, restrito à cúpula, que concentra tudo. 

As demandas hoje são multifacetadas, sob múltiplas combinações, geradas em rede, não mais em núcleos fixos, mas em combinações sucessivas e descentralizadas. Os processos decisórios estão avançando para além das localidades e a própria ideia de local assume um deslocamento e caráter flutuante. O próprio indivíduo não quer ficar mais aprisionado a uma identidade reducionista. Essa forma de querer falar pelas massas é totalmente anacrônica e ingênua. Resultado foi o descolamento com as massas que foram para as ruas, que há tempos que se descolaram desse binômio esquerda direita. 

Cabe ressaltar o ineditismo visto nos debates: glamorizar a própria ignorância e a vaidade cega, expondo-se ao ridículo sem limites. Dois candidatos não são "patéticos, porque são patetas". Pessoas sensatas e lúcidas não tratam de assuntos que elas não dominam. Colocar em debate o que não domina é um absurdo. Visões superficiais e divagações. Por que alguns candidatos não fazem o básico dizendo em que área o recurso público foi mal aplicado,  onde faltou recursos, o que precisa ser priorizado etc. Dizer se vai propor modificações na política orçamentária e como vai ser isso. 

Até agora a segurança não foi discutida seriamente. Ninguém tem algo mais a dizer sobre a segurança além das constatações? Outro assunto esquecido são as tais licenças ambientais. Vai mudar alguma coisa nesse setor? A discussão sobre habitação está muito vaga e gruda de forma equivocada ao programa federal. Vão continuar construindo casas onde não tem rede de esgoto e depois fazer fossas? Alguns detalhes precisam ser discutidos. Por exemplo, existem pessoas que não possuem casa e nem terreno. Já outras pessoas possuem casa e o terreno, mas a casa é de taipa ou palha. As pessoas que já tem sua moradia não podem ser removidas em massa para prédios, nem para lugares distantes de sua comunidade. O que vai ser feito para essas pessoas que possuem sua casa de taipa, palha ou mora em palafita? 

Está tudo no patamar da repetição e a camada silenciosa aumentou e está esperando só a hora de votar. Independente de resultado de "pesquisas".  Para a grande maioria a eleição já está decidida. Agora a ausência de qualidade em algumas enquetes de opinião é facilmente observável. Porém, o pior de tudo é parte "qualitativa", onde alguns concluem absurdos sobre seu próprio dados fantasiosos. Exemplo: alguns dizem que existe 50% de indecisos e argumentam isso como um fator positivo ao candidato em desvantagem. Ok. Isso está ótimo como peça publicitária, mas só isso. 

Porque isso é estranho. Primeiro, não existem pesquisas só encomendadas por partidos ou emissoras de TV. Outra parte é formada por pesquisa não divulgada e servem ao mundo dos negócios, o investidor que quer saber o que é, resultados confiáveis. Portanto, é possível comparar várias além dessas aí divulgadas. Segundo, existe uma faixa da população que não gosta de declarar voto e que tratam com desconfiança o entrevistador. Mas não significa que 100% deles estão indecisos. Terceiro, a intenção de voto pode mudar, mas não em massa e tão facilmente, sem acontecimentos extraordinários. Não existe uma adesão de 100% e isso fica impossível quando candidato acumula uma rejeição alta. Aí é matemática, boa escrita não resolve, pois o contrário pode ser demonstrado. 

Ora, se essa pesquisa tem alguma validade, ela está dizendo que a cada grupo de 10 pessoas serão encontradas 04 pessoas que não votam de jeito nenhum nesse candidato. É nisso que consiste a confiabilidade. De repente aparece um grupo de 50% totalmente atípico? Sinceramente... lamentável que pessoas bem informadas estejam reproduzindo isso. Não só isso, conseguir 60% do atípico 50% é possível nesse quadro? Não. Já é forte o cheiro de Inês... 

No mais é a Coluna do Sarney... que cada dia endossa mais uma representação do real, que foge cada vez mais da realidade. Essa insistência cessaria se ele percebesse o lugar de onde ele ver essa realidade que ele representa. A realidade nunca pode ser fruto da construção imaginária de um homem só. Só! 

Nada de novo... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…