Pular para o conteúdo principal

(Atualizado) Eleição presidencial: a oposição se recusa ganhar e atesta a miséria política

Conversando com um amigo.. perguntei sobre as eleições e, em particular, a eleição para a presidência da república. Ele foi direto: "A oposição está se recusando ganhar." Sabe.. é algo para se refletir. Lembrei da própria situação do PMDB, um partido gigante, mas que se recusa lançar nomes e ganhar a eleição como cabeça de chapa. Opta por usar sua enorme bancada e grupo de governadores para barganhar com a aderência a qualquer sigla partidária que assuma o governo. A causa única parece ser estar no governo, seja qual for o candidato à frente dele. 

Por outro lado, a maioria dos partidos, dentre eles os que reivindicam a posição de mais à esquerda, assumem uma posição vacilante quanto ao governo Dilma e reproduzem o discurso do PT sobre inimigos imaginários: extrema-direita golpista, imprensa golpista, coxinhas etc. Até aí não é tão alarmante. Fica pior quando olhamos para as candidaturas do PSDB e do PSB que, nitidamente, parecem "disputar" para não vencer. 

Campos já atestou ter uma visão limitada da política em escala nacional e não sabe perceber as oportunidades do momento. Após Lula atrapalhar a criação do partido da Marina, Campos não percebeu que isso não era só desejado pelo PT, mas também era desejado indiretamente pelo PSDB. Sem Marina a candidatura de Dilma respirou e Aécio assumiu o segundo lugar na disputa. Campos nada disso viu ou não quis ver. As questões a serem debatidas nessa eleição deixa a disputa mais favorável a Marina. Caberia ao Campos demonstrar maior visão do processo político, humildade e declinar em nome de Marina. A saída de Campos colocaria a disputa em um novo ritmo. Basta olhar a monotonia e o baixo interesse que tem despertado os atuas candidatos da oposição. Essa alteração provocaria automaticamente uma maior exposição e discussão em torno da candidatura de Marina. Ela é mais conhecida do que Campos e tem um discurso que se afasta do lugar comum das mútuas acusações provocadas por PT e PSDB. Infelizmente Campos não é um bom estrategista. Nesse momento Marina tem mais chance de levar a eleição para um segundo turno. 

Aécio tem o problema da herança dos governos de FHC e isso facilita o PT ficar se defendendo através de acusações, fazendo o jogo de provar quem é o pior. Essa situação é boa para o PT, porque se exime de apresentar as razões, os motivos que justifiquem mais um governo de Dilma e deixa de prestar contas sobre a atual gestão. Além disso, Aécio fica o tempo todo tendo que justificar seu próprio governo em Minas. Ele é o candidato perfeito para o PT desviar o foco das principais questões de interesse público: nível de inflação, crescimento, criminalidade e violência, corrupção, saúde, transporte etc. O PSDB está aceitando esse jogo como se estivesse apostando no quanto pior melhor e esperando a chegada de 2018. Traduzindo: estão apostando em segundo mandato de Dilma totalmente desastroso para em 2018 o PSDB volta ao governo. É o que nos leva acredita o candidato Aécio até o momento, pois agora ele não apresentou uma só proposta consistente, não buscou colocar em discussão, a partir de propostas, as questões mais pertinentes como a reforma política e tributária e o combate à corrupção. Nada de significativo Aécio tem apresentado e demonstrado para o eleitorado. Além de sua abismal dificuldade de falar diretamente para os nordestinos. 

Observando por esse ângulo, torna-se preocupante o que afirmou meu amigo: a oposição está se negando ganhar. Eta miséria política! Essa atitude das oposições é uma das piores coisas para esse momento político. Onde sérias questões do ponto de vista da ordem democrática e pública assumem tons dramáticos. Diante, principalmente de uma escalada da violência e da criminalidade, a ineficiência do sistema de saúde, a péssima qualidade em serviços essenciais, destaque para os transportes urbanos, os constantes abusos e desrespeitos aos consumidores e usuários da telefonia móvel e dos planos de saúde privados. 

Esse tom e postura assumidos pelas oposições até agora mostram um baixo nível responsabilidade com os cidadãos e eleitores brasileiros. Trata-se de irresponsabilidade política. Basta ver o tamanho da rejeição de Dilma e a situação do apoio do PMDB, que estrategicamente entrou rachado no apoio à reeleição. Na prática isso resultará em um aumento no custo de manutenção da base de apoia à Dilma. O segundo mandato da presidente terá um preço político hiperinflacionado, o que é muito grave tanto do ponto de vista republicano e democrático, particularmente no tocante ao clima da governabilidade. 

Pobre Brasil... de ricos "políticos". 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…