Pular para o conteúdo principal

176 anos do Liceu Maranhense


Estudei no Liceu Maranhense... Como em toda minha trajetória de vida, esse momento também não foi fácil. Fiz o exame de admissão para conseguir a vaga, mas depois de aparecer na lista de aprovados, meu nome desapareceu. Pois é, o gato comeu! 

Não aceitei essa tal mágica anti-republicana e anti-democrática. Entrei na luta pelo meu direito. Foi um batalha, passei a ir quase todos os dias na Secretaria de Educação. Reivindicava pela minha vaga. Enfim... depois de dois meses consegui valer meu direito. Atrás disso, estava o velho e miserável apadrinhamento e o tal QI (quem indica). Eu não tinha ninguém (nenhum padrinho, nenhum protetor) e resolveram usurpar logo a minha vaga. Mas nunca fui de temer diante de dificuldades e dos artifícios dos viciosos. Com a voz e coragem lutei pela recuperação da minha vaga. Sempre achei gente boa no percurso da minha vida, mas também encontrei muita gente sem lealdade e honestidade. 

Enfim, estudei no Liceu em um período em que ele vivia um verdadeiro abandono. Professores insuficientes e alguns não iam mesmo. Diversas vezes fui entregar convocatórias para uma professora comparecer para dar aula. A senhora morava no bairro Ponta do Farol. A Diretora fazia a convocatória e eu ia pessoalmente entregar o documento na casa da professora. O ônibus da Ponta D'Areia não ia até o bairro São Marcos e a parada final ficava logo após aquele bueiro da lagoa da Jansen. Bem, para quem não podia pagar táxi caminhar era a solução para chegar até o conjunto Ponta do Farol. 

Mas, o pior de tudo foi um "professor" de uma disciplina técnica. Em uma bela manhã esse senhor entrou na sala e disse: "ninguém dessa turma entrará na universidade nos próximos 15 anos, talvez 01 daqui a 20 anos". A filha dele estudava no colégio Maristas. Bem, até onde pude averiguar, 80% da turma chegou e em um tempo bem abaixo do que imaginou esse vidente. E chegaram na UFMA, a mesma universidade onde a filha dele estudou. Porém, isso não foi o ápice da sordidez dele. Não. 

Nessa tentativa de humilhação ninguém retrucou... Ficamos só olhando em silêncio para cara dele. Não satisfeito, em uma outra bela manhã, esse bendito "professor" entrou na sala e disse: "se focasse a lanterna, não ia encontrar uma só virgem". Foi o suficiente para ele saber que nós existíamos e, apesar de pobres, não éramos covardes. Não perdi tempo e perguntei se ele já tinha focado com a lanterna na filha dele. Ele ficou transtornado, mas não mais transtornado do que as moças da sala, que logo se levantaram para reclamar da fala dele. A rapaziada, os meninos, parceiros de classe e de futebol também tiveram uma atitude contundente. A melhor resposta foram nossas sucessivas vitórias.... Seguimos com dignidade. 

Tenho como mantra um poema do Mário Quintana:

Poeminha do Contra
Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão...
Eu passarinho!  

  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…