Pular para o conteúdo principal

Comentário Sobre o Editorial "A quem interessa debater a mudança no Maranhão?" do jornal Vias de Fato (17/03/2014)

Caro Emílio e demais integrantes do Vias de Fato,
quero expressar e reforçar meu apreço pelo esforço e trabalho de vocês. Aproveito para destacar a importância desse editoral do ponto de vista político e jornalístico, pois começa a se distanciar da oposição-fã e mostra um diferencial que o afasta da possibilidade de ser confundido como mais um jornal pequeno. 
Ver causas, destacar a importância das questões sociais mais significativas presentes na realidade maranhense e, acima de tudo, ter um posicionamento acima de legendas e siglas ou grupos particularíssimos de interesses em defesa de vida digna, defender a consolidação da cidadania, estado de direito, clamar por justiça para além do aspecto formal e defender ampliação dos espaços e mecanismos democráticos faz muita diferença no nosso cenário. Parabéns! 
No mais... é importante observar que vocês começaram a fazer coro com algumas poucas vozes que reclamam a necessidade de superar não só a hegemonia dos Sarney, mas também o modelo e tipo de oposição consolidada como anti-Sarney que, pouco ou nada, tem a oferecer aos grupos  e setores sociais mais injustiçados e oprimidos do nosso estado. 
Esse tipo de oposição-fã, corporificada nesse imenso e heterocéfalo cobertor chamado anti-sanarnísmo ou anti-oligarquia vem, ano a pós ano, resumindo-se a um projeto de poder ensimesmado, valendo apenas o poder na percepção de controle e domínio, destituído de um caráter produtor e promotor. Essa oposição omissa e irrelevante na Assembleia não faz mais que sustentar a permanência desse status oligárquico. 
O que a mudança tem a oferecer (propor) em contraposição ao agronegócio predatório, à concentração de terras, à pistolagem, à grilagem urbana e rual, aos palafitados, aos moradores das áreas de risco, ao desvio de recursos públicos, ao favorecimento pessoal no uso da coisa pública? O que será feito contra a negação sistemática do acesso ao ensino de qualidade, à saúde e à segurança? A mudança sem um compromisso social que seja contrário a essa ordem não será mais que uma mudança apenas de gerente, que servirá para a continuação desse mesmo domínio de perversidade. Falta ao Maranhão uma oposição à altura de nossas necessidades mais elementares, falta abraçar causas relevantes e ter um coeficiente de princípios. É isso que significativamente torna os atuais "donos" do poder mais impróprios aos cargos de comando do nosso Maranhão. 
Parabéns pelo trabalho!!!!!

Comentários

  1. Honrado com o comentário, professor Francisco Araújo. Obrigado

    ResponderExcluir
  2. Honrado com o comentário, professor Francisco Araújo. Parabéns pela clareza política.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…