Pular para o conteúdo principal

Algozes. Pura ficção




Pura Ficção. Para descontrair um pouco. 

Algozes é um país fictício.. no continente qualquer de um planeta distante. 

Tudo em Algozes tem um valor superior, menos a vida, o respeito e a garantia de direitos para todos. Algozes é um exemplo nítido de distanciamento social, de extremas desigualdades entre ricos e pobres.

Algozes já começou a garantir a distribuição regular de pão para quase todos os miseráveis, mas sem diminuir os privilégios dos ricos e dos poderosos. Sem diminuir realmente as desigualdades sociais. Os que passaram a ganhar mais pão continuam sem assistência médio-hospitalar, sem educação de qualidade, sem serem assistidos por políticas públicas abrangentes e eficazes na promoção da cidadania.
Os trabalhadores permanecem com baixa qualidade de vida, não gozam de transporte de qualidade, segurança, saneamento, acessibilidade etc.
Os setores que foram privatizados para oferecerem melhores serviços e mais opções de aos usuários viraram agências especializadas em práticas de lesar e enganar os cidadãos.
Vale enumerar algumas características de Algozes: o serviço de telefonia é péssimo e muito caro; os planos de saúde são totais engôdos; o transporte aéreo é uma caixa preta com passagem que variam de R$ 63,00 a R$ 2.400,00 no mesmo trecho e no mesmo dia, uma mesma empresa aérea vende passagem mais barata no exterior e aqui, a mesma passagem, vende bem mais cara; os lucros dos bancos não pararam de crescer nos últimos vinte anos e cobram as maiores taxas de juro do mundo; a carga tributária sobre os cidadãos é uma das mais elevadas do mundo, com imposto retido na fonte e sobre salários; as fábricas de automóveis fabricam carros de qualidade inferior e com preços bem mais elevados que nos países das matrizes; o transporte coletivo urbano é caro e precário; os meios de comunicação continuam concentrados nas mãos de poucos; os conflitos pelo domínio da terra são constantes e envolve índios, quilombolas, fazendeiros e sem-terra; a violência cresce de forma assustadora atingindo todos os estratos sociais e a educação cada dia fica pior.
Além disso, Algozes tem os estádios de futebol mais modernos e luxuosos do mundo, seus políticos recebem altos salários e cada um custa milhões aos cofres públicos mensalmente, juízes condenados são aposentados e ficam recebendo salário sem trabalhar como punição, O valor do salário mínimo é muito aquém dos países ricos e, como se nada disso bastasse, mais de R$ 60 bilhões são desviados por ano pela corrupção.
Em Algozes há tempos o povo aguarda uma reforma política, fiscal e tributária. A municipalização dos serviços e dos recursos está se convertendo em um processo crescente de desvio de recursos públicos. A impunidade por enriquecimento ilícito é quase 100%. Roubar coisa pública não é crime hediondo.
Algozes possui estatutos e cotas para tudo, mas nenhum direito é efetivamente assegurado e protegido, é uma perfeita ficção jurídica.
Colaboram para compor esse modo de ser de Algozes o caráter reacionário e anti-democrático das suas elites de esquerda e de direita, que são refinadamente autoritárias, que são autoritariamente ilustradas e abusivamente violentas.
Porém, o povo é feliz, pois é proibido ficar triste, manifestar revolta e criticar. Porque a liberdade é permitida, mas deve seguir a forma e o modelo de uso determinado pelos senhores detentores do poder. O povo pode fazer o que quiser menos participar politicamente da condução da coisa pública. Tentar fazer política em tempos de futebol e a carnaval é crime hediondo, inafiançável etc. Porém, as eleições ocorrem em dois em dois anos. O voto eletrônico virou uma mágica.
Enfim, em Algozes vale mais a vidraça do que a vida e a dignidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…