Pular para o conteúdo principal

Reconstituição do assassinato de Décio


Desde ontem estou refletindo.. sobre a postura do assassino do Décio. Fiquei observando aquele indivíduo. Vi várias vezes o matador procurar as câmeras. Ele não queria ficar fora de nenhum enquadramento. Com a cabeça empinada, olhava por cima para a plateia. Fazia pose como se estivesse querendo encantar o público com sua "arte". 

Deus me perdoe, caso esteja sendo injusto, mas aquele indivíduo não esboçou nenhuma preocupação, intimidação ou constrangimento diante dos cidadãos que estavam ali. Não demonstrava ser devedor de nada. Tranquilo, com "naturalidade" encenou cada etapa do seu ato de brutalidade. É um assassino em todos os sentidos. Aquele indivíduo que estava ali matar não tem implicação moral alguma. Que grupo e quais os elementos estiveram presentes no processo que deveria ser sua socialização primária? Que contexto e interdependência existiam por lá? 

Esse sujeito, autor da execução de Décio, mostrou que tem um total desprezo para com os nossos valores. Ontem desdenhou mais uma vez de nossas vidas, só isso! 

Além da dor, do sofrimento dos familiares da vítima é algo impagável. Mas os danos, em outra escala, também afetaram os proprietários do bar, que estão acumulando prejuízos   após esse acontecimento. Ninguém vai pagar por isso tudo? 

Alguns detalhes precisam ser destacado. Segura a arma com desenvoltura. Dentro do bar , durante a reconstituição, empunhou a arma e a levantou até a altura da linha de mira, enquanto fazia o deslocamento até o local onde alvejou o Décio. Não vi nada de muito leigo no deslocamento dele com a arma. Achei muito técnico. Quem treinou deu essas noções para esse indivíduo? Aprendeu tudo sozinho? Aprendeu assistindo filme? 



Pela reconstituição ficou evidente que ele não foi até o banheiro. Chegou no bar e entrou, fazendo uma trajetória diagonal até a vítima, que se encontrava sentada e de costas para a rua. Isso também explica a trajetória de um dos projéteis que saiu mais ao alto da cabeça da vítima. Na hora do ataque a vítima deve ter inclinado a cabeça para o lado o que possibilitou tal trajetória do projétil. A versão que circulava que o matador teria atirado quando voltava do banheiro, deixava esse tiro difícil para a trajetória de seguiu o projétil. 

Algumas pequenas coisas: Parece que havia uma urgência muito grande em executar o Décio naquela noite e que não podia mais se perder tempo. O que Décio teria para publicar? Como sabiam que ele faria algo no seu blogue e na quela data? Como esses implicados ficaram sabendo sobre o que Décio tinha e quando iria publicar? O que tinha para publicar era só mesmo o assassinato ocorrido em Teresina? Como esses assassinos o perderam de vista e logo em seguida o acham prontamente? 

Até aqui o trabalho da polícia foi bom. Faltam as provas cabais contra os mandantes  desse  consórcio da morte. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…