Pular para o conteúdo principal

Bater em morto é fácil, mas é prova de covardia


Lamentável ver como algumas pessoas estão totalmente encarceradas no passionalismo. Tanto para elogiar como para desqualificar. De repente a discussão sobre o assassinato de Décio descambou para a algo análogo ao processo de beatificação ou canonização. Uns querendo provar milagres que possam garantir a santidade, outros querendo provar os pecados para impedir a canonização. Ninguém quer mais saber da realidade e suas possibilidades e impossibilidades.

O que Décio fazia é muito distante do que a grande imprensa faz no Brasil inteiro? Alguém já se perguntou como só uma emissora ou só um jornal pode noticiar material de escuta, além de apresentar tantas outras coisas com exclusividade? É tudo trabalho ético e sem parcerias? Alguém nunca viu em blogues de jornalistas nacionalmente conhecidos ataques sistemáticos e direcionados a uma determinada pessoa, partido político e entidade? Essa fórmula não é uma exclusividade do falecido jornalista. Fórmula também presente nas rádios e televisões. Se esse não é o jornalismo ideal ou desejado, trata-se de uma outra questão.


Choca a covardia praticada contra Décio, no pós-morte . Agora, sem que a parte possa se defender, uns perfeitos seres de boa índole aparecem para desqualificar o jornalista, em puro exercício de mágoa. O que Décio escreveu e na forma como escreveu, sem dúvida, gerou ressentimentos... Alguns ataques eram de antipatias pessoais, mas comuns à vida cotidiana e genericamente praticados por qualquer sujeito social... É bom lembrar que alguns comentários publicados no blogue do Décio eram direcionados contra o próprio Décio e de forma desqualificadora, outros reforçavam o tom do que ele dizia. Era só ele?


Quem não tem algum desafeto? Ora, não se trata de querer privar a mágoa de ninguém. Cada um sabe o tamanho de sua dor ou onde o sapato aperta. Mas há o que se separar. A questão é que o blogue, enquanto página pessoal, não era estritamente um jornal ou página só de notícias e do “puro” exercício de jornalismo. Outros blogues de jornalistas maranhenses também não estão restritos ao que seria propriamente jornalismo. Por lá Décio também expressava sua paixões de torcedor, de seu vínculo político etc. O que temos que tratar agora? É do julgamento ético/moral do jornalismo que ele praticava? Exato nesse momento, e sem o direito ao contraditório? Ou devemos tratar de um assassinato cruel e da expansão escancarada da violência?

Não se trata só da morte de Décio, pois podia ser qualquer um outro cidadão, como vem ocorrendo sistematicamente junto aos quilombolas, líderes comunitários etc., e que merecem igualmente receber nossa solidariedade... trata-se, no entanto, de um estado de insegurança e de uma intensificação da violência promovida pela “indústria do assassinato”. Coisas intoleráveis e que ferem uma das condições de vida digna, independentemente de gostar ou não da maneira como Décio noticiava os fatos ou supostos fatos.


Não há dúvidas que a morte de Décio ganhou repercussão que os outros casos similares não ganharam. Mas por ser um jornalista importante e próximo do grupo político dominante invalida nossa preocupação com a violência e o terror desencadeado pela “empresa da morte”? Repudiar a violência e o terror implantado pela pistolagem é ou não é uma causa digna dos vivos?

O que está em questão são as nossas vidas, não é um julgamento para beatificação ou não do morto. A apuração e punição dos culpados é, antes de tudo, uma justiça para nós, para reafirmamos valores que devem balizar a sociedade que desejamos viver: de Paz e Justiça.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…