Pular para o conteúdo principal

PROFESSOR: O PALHAÇO DA VEZ



Quais habilidades e competências deve ter um indivíduo que exerce a profissão de professor? Procurei diversos manuais e lá encontrei coisas que só são realizáveis por seres de outra natureza, quem sabe deuses. Quem produziu essas regras, essas metas, esses planos de competências e habilidades ou é um grande espertalhão ou é um alienado do tipo que ignora por completo a complexidade da vida social, desconhece as limitações reais da vida e os limites da condição de sujeito histórico.

Esse super-ser que faz tudo e transforma tudo é uma invenção de pedagogos a partir de “filosofias” ideologizadora. Que tenta legitimar a importância do professor através de idealizações de atitudes, capacidades e comportamentos supra-humanos. Isso, na verdade, tem como conseqüência condenar e sobrecarregar o professor de responsabilidades absurdas.

O mundo criado pelo pedagogo, e que só ele “ver”, não existem variáveis, nem condicionantes, nem tensões, nem conflitos, nem limitações, nem campos de poderes, nem restrições, nem falibilidade e nem finitude. Trata-se de uma jaula, que estupidamente tenta responder aos conflitos gerais da sociedade e da história ridicularizando a profissão de professor. Processo nocivo de desumanizar o profissional-professor. Resultado: o profissional-professor ora é tratado como deus e ora como besta.

Porém, o pedagogo e seus manuais não é o todo, nem resume as condições gerais que imola o professo, o pedagogo é apenas um ideólogo especializado cumprindo sua tarefa. A destruição do professor ou a construção do seu ethos de profissional marginal faz parte da contemporânea expressão do mundo, o estágio evolucionário-histórico em que se encontra as diversas sociedades. Isso tem a ver com o lugar do saber, do conhecimento diante das configurações sociais que estão desmontando uma ordem estabelecida. São as pulsões transformadoras retirando do assento as convenções, regularidades e posições já conhecidas e experimentadas.

O conhecimento, a notícia, a informação despencam de suas centralidades, perdem seus espaços convencionais e novas atitudes e novas formas de conhecer proliferam freneticamente.

A atenção, a concentração, o interesse assumem formas que não se harmonizam com esse velho formato de educação, de universidade que ainda se quer praticar. Ficando o professor condenado a ter desempenho na impossibilidade. Isto é, o que se exige do professor não é mais possível, pois a Escola onde isso era possível acontecer já está morta, não cabe mais diante dos desejos, interesses e ambições das gerações atuais. O drama toma forma trágica, porque estamos passando pelo momento entre a constatação da morte e o enterro, ou ainda mais, pela incerteza do que vai ser e suas possibilidades de ser.

Essas novas gerações não cabem todo dia na mesma sala de aula, não podem ser limitadas a uma só atividade por vez, não possuem horários definidos como condição de aprender e emerge uma vocação de conhecer fundida com a dimensão do prazer, do lúdico.

Ser palhaço talvez seja um alento diante do novo que ainda não se configurou e mostrou suas exigências comportamentais de pertencimento.

Mas, enquanto isso, não custa nada pagar melhor esse atormentado profissional na agonia de seu declínio.

Comentários

  1. É POR ESSAS E OUTRAS QUE EU SOU PROFESSORA E NÃO LECIONO....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…