Pular para o conteúdo principal

VIOLÊNCIA E OS APROVEITADORES DO MEDO



Não farei uma extensa exposição sobre como a violência foi pensada e discutida por diversos  autores. Faço apenas uma breve referência ao trabalho de Hannah Arendt, que de forma sistemática distingue  a violência de vigor, força e poder. Sobre o conceito de poder a autora diverge da concepção de Weber, mas isso é outra discussão. As obras Da Violência, Entre o Passado e o Futuro, A Condição Humana e Origens do Totalitarismo reúnem a posição e a reflexão de Arendt sobre a violência. Vale a pena conferir. 

Arendt focou pontos significativos sobre a violência: sua instrumentalidade e certa racionalidade. Assim, a filósofa judia, desnaturalizou a violência, retirando-a da condição de fenômeno meramente instintivo irracional.

A violência nas cidades e em todos os recantos habitados assume formas cada vez mais sofisticadas, além de "chocar" pela desumanidade. Mescla-se ao espanto a busca trêmula por entendimento. Os diversos segmentos tentam explicar os motivos que motivaram os autores desses atos de crueldade. Porém, como ensinou Weber, sociólogo alemão, é preciso compreender para depois explicar as causas. Eis o problema. Como conseguir isso diante de tal fenômeno?

O movimento racional que deu forma à Modernidade, com seu proselitismo, cumpriu bem a tarefa de sedimentar a crença de que uma vida social ordenada racionalmente se tornaria mais previsível. Sobretudo a crença de uma vida pacificada. Pacificada porque era racional.
Ainda na Modernidade o mundo comprovou que a racionalidade pode ser instrumento para produção de atrocidades em massa, horror sem cerimônia e violência explosiva.

As análises e explicações contemporâneas tendem a ver o fenômeno da violência a partir de atos isolados e descontextualizados. Nisso há uma recusa de formular a seguinte questão: a sociedade adoeceu? Cadê o controle e a previsibilidade prometida pela racionalidade? Onde foi parar a idade das luzes?

O animal político, dos gregos antigos, era a prova do salto de qualidade do indivíduo: sua humanização. O simbolismo e instrumento dessa humanização apoiavam-se nas decisões coletivas, na soberania dessas decisões. O sentido e o valor das coisas públicas e de um bem coletivo desarmavam a individualidade predatória de interesses fechados. Foi assim que o outro passou a ser um valor, sustentado pelos direitos de igualdade, liberdade de viver a sua maneira e o contraditório. O enfraquecimento da politika parece apontar para uma crise civilizatória e ineficácia dos processos de socialização e endoculturação. Esses processos não estariam conseguindo promover valores que viabilizem uma convivência ordenada, livre da ordem suprema do imprevisível, da insegurança e do medo. Onde o ratio está comprometido e apreendido a serviço de uma sociedade pacificada.

Diante disso, não há como não pensar na educação, sua capacidade de promover humanização.

O massacre e horror ocorridos em Realengo, Rio de Janeiro, choca pelo tipo de vítima, pela concentração e pela falta de explicação plausível. A instrumentalidade da violência deixa sempre a vaga para a explicação, justificação. O autor daquele horror talvez quisesse construir sua explicação través de uma carta, onde forjava um pertencimento imaginário: o islã. Nítida busca de integração, coisa que lhe faltou em grande parte de  sua vida, conforme foi informada sua biografia pela imprensa.

Vários especialistas da psiquiatria e da psicologia o diagnosticaram, o autor do massacre de Realengo, como indivíduo portador de distúrbio psíquico etc. Porém, o fenômeno da violência não pode ser explicado a partir de um único fator. Por outro lado, as patologias mentais não lideram a lista de causa dos crimes e, em particular, dos homicídios. Centenas de crianças são mortas todos os meses nos diversos estados brasileiros. Milhares de pessoas são barbaramente executadas todos os homens e não são vítimas de uma pessoa doente mental. Chacinas e horror acontecem de forma difusa a cada instante, em todas as regiões do país e em todas as classes sociais, nos mais diversos ambientes e lugares. Realengo, infelizmente, é só parte de um grande massacre.

Há pouco tempo uma criança foi morta pela a amante do pai, não muito tempo atrás outra criança foi lançada do apartamento, tendo como suspeita o pai e a madrasta. O que dizer daquele garoto indefeso encurralado em um muro por policiais, que o alvejaram friamente?

Fica nítido o elo da crise política com a violência quando observamos o oportunismo dos políticos que, buscando promoção eleitoral, tentam vender uma ilusão através de mais um plebiscito. O pior de tudo, tentando COISIFICAR a violência responsabilizando a arma-de-fogo.
É arma ou a pessoa que mata? Quem quer matar vai matar com ou sem arma de fogo. O problema da arma de fogo não está no sua fabricação, mas na sua utilização e distribuição.

O criminoso vai conseguir regularmente ou não, pois é um criminoso. O cidadão comum não tem acesso fácil a armas. O maior problema é na liberação desenfreada de armas para segurança particular, o que faz o controle e fiscalização ficarem impossíveis. Esse volume enorme de seguranças particulares armados tem sido uma das portas para o armamento migrarem para fins trágicos. Uma das armas usadas pelo assassino de Realengo foi passada por um segurança. O país não fabrica, o cidadão não pode comprar mas as empresas e seus funcionários vão ter amplo a cesso e o desvio vai continuar.

Recentemente, em outubro de 2005, foi realizado um Referendo sobre o Art. 35 do Estatuto do Desarmamento, a população disse NÃO a tal modelo de proibição. Pois a população, mais do que ninguém, sabe o que é violência e que a memsa não se restringe a existência de arma-de-fogo.

Essa tentativa promocional eleitoreira do Senado soa como uma arrogância elitista, que dizer ao povo que ele não sabe o que quer e que votou errado na última consulta que lhe foi feita. O gasto dessa consulta sobre algo que a população já decidiu, por maioria absoluta, é descabida. Soa como a revelação da própria miséria política que vivemos.

Esse plebiscito é um engodo irresponsável. A proibição total do porte e fabricação de armas no Brasil pode ter consequências mais graves. Uma consequência imediata vai ser o aquecimento do tráfico de armas que, visando mais lucro, colocará armas de maior calibre em circulação no país, e um número de oferta muito maior. O armamento sair totalmente de controle.

Essa medida não vai fazer você ter mais segurança nas ruas, nos bairros e nem produzir uma educação para a paz. Esse ato seco e vazio que o Senado quer efetivar, só serve para promover os oportunistas de plantão que, ao contrário do povo, gozam de enormes privilégios em Brasília.

Não ao engodo casuísta e politiqueiro! Paz!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…