quarta-feira, fevereiro 09, 2011

REPÚBLICA NO DEDO

Câmara Cascudo apresenta, em A história dos nossos gestos,  uma definição para o gesto “no dedo”. Apesar de “no dedo”  já ser algo fora de moda no linguajar corrente, a definição ilustra bem os arquétipos de práticas contumazes, particularmente nas relações sociais estabelecidas no interior dos órgãos e repartições do poder político brasileiro.
Isso tem significativa importância no Maranhão, uma típica “república” dos NO DEDO. 
Vejamos o que Cascudo disse sobre “no dedo”:
“Diz-se  dos astutos indolentes cuja inércia sorridente e servil levam-nos aos altos postos burocráticos sem credenciais de esforço e possibilidade de realização. Passam docilmente de dedo em dedo na marcha ascensional da preguiça concordante e proveitosa. Referindo-se às sucessivas promoções obtidas pelo misterioso mérito, explicam dobrando o indicador, gesto de pedir o pé aos psitáceas, aproveitadores da escravidão deleitosa.
Algumas similitudes com as notórias personagens do Maranhão?

2 comentários:

  1. Infelizmente nosso país e principalmente nosso Estado está no submundo do desenvolvimento, somos ao mesmo tempo protagonistas e reféns de uma situação que dificilmente será solucionada. E quando me refiro a desenvolvimento não me atenho a questões apenas de nível econômico, mas um conjunto de fatores interligados que melhoram a qualidade de vida da população.
    No caso específico do Maranhão, enquanto o governo e a mídia local tentam passar a imagem de uma capital que está a beira de um surto desenvolvimentista, bem aos moldes das teorias de desenvolvimento dos anos 70, com a vinda da refinaria Premuim, estamos cada vez mais submersos na corrupção e no atraso econômico e sóciopolítico. Nossa cultura é baseada nas relações patrimonialistas e coronelistas, o que gera o acúmulo de mazelas e problemas sociais do nosso Estado.
    Não conseguimos sequer ter índices aceitáveis no que tange ao serviços mais básicos como saneamento, saúde e infraestrutura, sem contar no atraso significativo dos nossos órgãos públicos e na inoperância do sistema que conta com pessoas totalmente despreparadas e viciadas na empregabilidade fácil dos currais eleitorais do Estado.
    "O dedo" é cara...

    ResponderExcluir
  2. Algumas similitudes com as notórias personagens do Maranhão? Respondendo a pergunta, claro que sim qualquer comparação com nossa triste realidade não obra do acaso ou coincidência.
    Porque uma vez oligarquia será sempre oligarquia que usa e abusa de métodos antigos e 'reencarnados' para se perpetuarem no poder e o resultado é mais que evidente, haja vista que por aqui só se perpetua a miséria e pobreza.

    ResponderExcluir

É uma satisfação contar com seu comentário! Obrigado!

Hoje é Páscoa.

sexta-feira, 30 de março de 2018 12:40 Hoje é Páscoa. ·         Por Francisco José A Páscoa é uma data maravilhosa, porque rep...