Pular para o conteúdo principal

VOTO NÃO OBRIGATÓRIO E “CIDADANIA” PASSIVA - (Primeira Parte)


(1)
Uma questão que vem ganhando atenção é a obrigatoriedade do voto. Potencializada pelo descrédito dos parlamentares, a não obrigatoriedade do voto já conta com campanha de organizações não-governamentais, a exemplo da “política-democracia”, sediada em Recife.
Argumentos existem vários, mas todos, em comum, ainda são poucos consistentes, principalmente se questionados sobre em que melhorias e vantagens essa medida traria para a vida política brasileira diante do atual quadro. Entre todos os argumentos que ouvi até agora o que parece ser mais consistente é o fato de que em todas as enquetes recentes a população, em sua maioria, se manifestou contrária ao voto obrigatório. Isso, sim, é um bom argumento, pois é a vontade da maioria, ou melhor, a soberana decisão popular.
Na pesquisa “cidadania, participação e instituições políticas: o que pensa o brasileiro” realizada pela FGV-RJ(CPDOC) o número de eleitores pouco interessado (44%) e nada interessado por política (32%) atinge 76%. Isto mostra a disjunção perigosa entre a sociedade civil e a sociedade política. A fundação da política está na própria força que foi adquirindo a vida societal em termos de complexidade. A política é um instrumento de auxílio à sustentação ao precário quadro da vida. Ela mesma também precária, mas de importância significativa.
 (2)
Repetimos: a única coisa consistente até agora contra o voto obrigatório que tomei conhecimento é a vontade popular. Dizer que a não obrigatoriedade evita a compra de voto é pura suposição. Nada garante que o indivíduo não seja convidado a comparecer à urna em troca de um dinheirinho, já que não tem mesmo nada a perder (o dever legal). Um outro argumento é o que fala de liberdade: “Estamos numa Democracia, não posso ser obrigado a votar”. A democracia nesse argumento aparece atrelada a uma liberdade totalmente individualizada, em nada ela se remete a uma cultura cívica, a uma liberdade política. Liberdade e a participação andam juntas. A grande realização pessoal é a realização enquanto cidadão, e ser cidadão implicar estar atuando no interior da polis. Isso é um dos legados da Grécia Antiga, particularmente de Atenas. A liberdade política supõe responsabilidade.
Essa responsabilidade aparece nitidamente no discurso fúnebre de Péricles (atribuído a ele por Tucídes): “Aquele que não se interessa pela política não deve ser considerado um cidadão pacato, mas um cidadão inútil”. A cidadania requer elementos ativos, ou inexiste o cidadão.  A liberdade política não é algo casual, mas algo que se efetiva dentro de uma lógica. A liberdade vincula-se à responsabilidade sobre a condução dos destinos da polis e sobre seus bens (coisas públicas). Participar é a efetivação e manutenção da condição de cidadão.
 (3)
Não nos parece muito cabível conceber a ausência de obrigações como essência de uma  vida política democrática. Política não se efetiva sem compromisso sobre o que se decide, principalmente quando o que se decide envolve interesses de ordem pública.
A não obrigatoriedade do voto traria de imediato qual benefício? Traria o benefício de não legitimar os corruptos? Sem a obrigatoriedade eles não iriam se eleger? As eleições sem coro seria um avanço para que direção? Se o problema são os políticos corruptos, por que não elegemos pessoas de bem? Por que as pessoas de bem não se candidatam e não ocupam tais postos?  O que querem mesmo os defensores da não obrigatoriedade do voto? Querem tornar o Brasil mais democrático permitindo que esses mesmos políticos permaneçam ocupando esses postos com menor peso de compromisso, vínculo e identidade com o eleitorado? Será que o problema maior na política brasileira é a obrigatoriedade do voto?
 (Originalmente publicado em 09/02/2007. http://ethospolitico.zip.net/arch2007-02-01_2007-02-15.html )

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…