Pular para o conteúdo principal

ONDE FOI PARAR A CAUSA


Que projeto? Não há projeto de res publica. Há projeto de séquito, nada mais que a defesa fanática pela permanência no Poder. O verdadeiro fundamentalismo religioso do momento tem nome: o partidarismo de base stalinista.

Que república seria essa onde o bem público fica sob tutela de um partido e da família de seu aliado? Que república existe onde o controle mútuo e publicidade são esvaziados? Quem acredita em república cheia de atos secretos em entidades públicas? República cheia de favorecimento aos amigos e parentes? Que república comporta a existência de cidadãos incomuns (acima das leis)?

Você sabe quem realmente controla o setor energético brasileiro? É um controle público ou um controle familiar/partidário? O setor energético é o setor que mais carece de transparência e precisa ser investigado. Precisamos saber o que realmente está atrás das usinas termoelétricas.

Que avanço democrático existe quando a maioria formada é composta pelas frações mais reacionárias e que serviram ao autoritarismo?

Colocar uma pessoa na Presidência da República sem lastro popular, sem história de militância democrática e sem experiência em cargo eletivo é muito perigoso. Sem gozar de prestígio popular e sem carisma vai ter que depender efetivamente dos favores de uma maioria parlamentar constituída basicamente no casuísmo. Isso é um risco institucional. Portanto, a maioria parlamentar, desenhada para o próximo período Legislativo, é fruto de um avanço da extrema-direita.

Essa maioria tão festejada é composta por reacionários de extrema-direita que estão colocando seus apoios do lado que consideram mais fácil de controlar e colocar na condição de refém. Esses são os piores aliados que alguém pode ter. Essa maioria não vai apoiar, mas corroer. Vão cobrar caro e estão sedentos de retribuições. Certamente aparecerão com um saco de emendas constitucionais para desfigurar nossa Constituição cidadã.

Conheça um pouco do PP e faça uma reflexão. Principais membros: Esperidião Amim (Conselho Consultivo), Paulo Salim Maluf (Conselho Consultivo), Francisco Dornelles (Presidente/Conselho Consultivo), Waldir Maranhão (Vogal), Ibrahim Abi-Ackel (Membro Efetivo do Diretório Nacional).

Dornelles foi o autor da “emenda de redação” que alterou o texto da Lei da Ficha Limpa. O resultado dessa manipulação tem gerado longas discussões e pouco resultado prático. Ele queria beneficiar o seu companheiro de partido Paulo Maluf.

O momento não é bom. Nunca foi tão difícil escolher. A lista de erros e ilícitos é grande dos dois lados. A diferença está na experiência com cargos eletivos, no tamanho das coligações e na quantidade de personas perigosos que cada uma tem.

O que espanta é para onde eles estão indo. Ambos carregam semelhanças nas suas origens. Mas os seus apoiadores de hoje não são nada compatíveis com as causas que outrora diziam defender. Assemelham-se cada vez mais aos que diziam combater. A relativização de princípios ficou cada vez mais brutal. Hoje estão ladeados pelos fósseis da ditadura e compõe com a extrema-direita.

No entanto, compreendo que é mais sensato apostar em quem vai ser Presidente, mas com uma significativa oposição no Parlamento (oposição mais homogênea) e submetido às negociações abertas com as casas parlamentares.

É muito perigoso eleger alguém ao cargo de Presidente com uma maioria “amiga” enorme no Parlamento, pois as negociações tendem a serem acertadas em bastidores. As negociações, com certeza, não serão nada republicanas. Principalmente quando a maior parte dessa maioria é composta pelos setores mais reacionários e golpistas da nossa política.

Para que a vida política fique protegida do horror é preciso colocar valores Republicanos e Democráticos acima dos interesses de partido. Partido é parte. Sempre será uma versão muito particular do interesse geral. É preciso sentir o interesse geral para além do partido, no eco coletivo dos cidadãos e das instituições democráticas e republicanas. Sem visão geral, fica-se preso ao universo sectário da entranha partidária e a tendência é caminhar para o horror.

A experiência histórica registra que o fundamentalismo partidário, a supremacia do ethos partidário gerou o Horror. Esse fanatismo partidário baniu a Política como meio de sustentação da vida e instaurou a violência. Eis as matrizes desse fundamentalismo partidário: nazismo e stalinismo. Quem suprime valores republicanos e democráticos em prol de caprichos partidários está reproduzindo o ethos do horror.

O Partido tem que ser mecanismo auxiliar para realização de metas democráticas e republicanas, não pode ser um fim em si mesmo. Torna-se uma ameaça terrível a ambição do poder pelo poder, sem nenhum propósito de servir às causas públicas.
Estamos diante de uma destruição das coisas públicas e da Política quando as ações passam a ser conduzidas para a satisfação particular do séquito. Viciado nas mordomias financiadas pelo erário público, ele perde em número e grau as referências de moralidade pública e virtude cívica.

Quem defende Democracia e República não pode concordar com isso. Viva a Democracia, a República e o Brasil! Vote contra os que apóiam a continuação do atraso no Maranhão! Não alimente o que alimenta o teu pior inimigo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…