Pular para o conteúdo principal

- O QUE FAZER, COMPANHEIRO? - ON THE ROAD!


“Retornei à estrada calorenta e zarpei num carro”.
Ainda tem gente bêbada de fantasia nessa disputa eleitoral. Porém, a realidade tem mostrado que não se pode subestimar o Serra, o PSDB e seus aliados. Os pró-Dilma ainda não podem fazer festa e os números indicam situação difícil. Os índices de intenção de voto atribuídos a Serra é motivo de preocupação para os demais candidatos. Pois há chances reais dele crescer no Nordeste durante o horário eleitoral. Além disso, tem conseguidos apoios importantes na Bahia, em Pernambuco, Ceará e, por último, no Maranhão, com a adesão de Jackson.

A constante perseguição à candidatura de Flávio Dino favorece ainda mais José Serra. O candidato tucano pode receber o voto de protesto da massa que rejeita a candidata do PMDB.
O que favorece Dilma é ter mais de um palanque e, especialmente, um palanque que represente mudança para a vida política maranhense. Essa opção obstinada de servir aos caprichos de um senhor pode, no segundo turno, significar prejuízo para Dilma. A candidatura de Flávio é totalmente necessária para Dilma.

O PT-MA já está pagando o preço dessa opção da direção nacional. Para o PT do Maranhão essa atitude já soma um alto custo. Ouve-se, em cada cidade visitada, simpatizantes do PT lamentarem o apoio à família Sarney. Seria bastante prudente a direção nacional fazer uma pesquisa sobre isso.
Essa vai ser a campanha mais difícil para os petistas maranhenses. A deterioração da imagem do PT diante dos simpatizantes já pode ser contabilizada como uma vitória do mandonismo reinante no Maranhão.

No Maranhão, as eleições assumiram uma forma de mercado desregulado e de especulações (obra dos atuais mandões), a “taxa de traição” e as convicções ideologicamente monetárias assumiram a condição de fatores decisivos. Mas isso não é intransponível e 100% exato. Não é algo inabalável. Se tivesse uma fórmula perfeita de permanecer no controle do poder político, a História não registraria nenhuma alternância no controle do poder político. Tornar-se-ia inútil concorrer como candidato da oposição ou concorrer contra os que estão controlando a máquina de governo.

“Quem não tem colírio, usa óculos escuros.” Quem não tem helicóptero põe o pé na estrada e vai onde o voto está!
“Quem não tem papel dá o recado pelo muro.”
Quem não tem muito tempo de TV, apresenta-se ao vivo ou em VT em qualquer lugar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Governo de Flávio Dino rumo ao último biênio

Tive uma educação libertária, isso já é suficiente para não adorar ídolos, heróis e nem acreditar na doutrina da "vanguarda revolucionária", o que entraria em conflito direto com as percepções e entendimentos que tenho sobre o que é História. Logo não tenho vocação a discípulo, a servo, a escravo e nem a puxa-saco ou lacaio. Minha torcida é cívica e republicana pelo governo, pela governabilidade e governança que, cumprindo os parâmetros de governo da lei, responda às necessidades do povo e aos negócios públicos com responsabilidade, competência e publicidade.
Em democracia a crítica e a contestação são direitos do cidadãos não é uma dádiva do governante. A contestação e o reclame não precisa de um aceite prévio ou concessão do ocupante do poder. Assim, a esfera da democracia guarda tensões e um certo nível de dissenso. A discordância não precisa estar fundamentada ela é. Isso difere de acusações em atos e procedimentos que configurem como crimes. A crítica, longe de ser uma …

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…