Pular para o conteúdo principal

PRÉ, NEO, PÓS OITICICA

Hélio oiticica foi um desses caras difíceis de domar o “espírito”. Criativo e capaz de ir a viagens mais longas, ele não só quis produzir arte, mas buscou fazer um conceito de arte, uma forma de experimentar a arte e a vida. Isso porque suas experiências ultrapassaram o campo convencional da plástica.
Considero-o, ao mesmo tempo, um artista precursor e o que abriu os elementos do limite, do extremo da produção artística só efetivada posteriormente. Era o nascimento e morte conjugados. O que Oiticica fazia não continha só um esboço ou um pré do que hoje chamam de Instalações, mas tinha algo, além disso. Lembro-me de uma Bienal (São Paulo) em que foram expostos alguns Parangolés e Bólides e lá estava o seguinte: uma sequência de ambientes formando um caminho e cujo ponto “final” era um vaso sanitário com um televisor à frente. O fim não é bem o fim. Pois ali estavam os elementos para o desenvolvimento de uma experiência além da mera contemplação do ali posto. A arte não se finalizava nos materiais, prosseguia na interação do indivíduo com aqueles elementos, com o ambiente. Rompia a distância entre obra de arte e espectador. Você estava literalmente na arte dando um tom a mais. A própria arte estava em movimento na interação do indivíduo com elementos dispostos no ambiente.
Pode-se dizer que era uma antevisão da substituição do homem sentado no trono lendo um jornal por um homem sentado no trono diante de uma tela. A arte sondando os desdobramentos sociais.
Essa proposta já estava nos paragolés, que só atingiam sua dimensão mais estética quando eram vestidos, ganhando forma e movimento. Da mesma forma estava abolida a distância entre espectador e obra arte. A arte só existia quando estava em movimento. As instalações de hoje ainda estão caminhando na direção de uma maior complementação com a interação.
Os elementos eletrônicos, a imagem, a virtualidade já estavam postas por Oiticica. Materiais reaproveitados e colagens, superposição, o instantâneo, o midiático. Uma situação convulsionada e ainda não nominada fazia parte de sua arte. O incêndio no acervo de Hélio Oiticica no ano que passou, talvez tenha sido uma tentação do gênio buscando uma composição para além dessa materialidade. Algo no além.
“O Hélio fez o "Parangolé", uma capa derivada da porta-bandeira da escola de samba, para o cara dançar com ela nas costas... Isso tem muito pouco a ver com pintura ou escultura. A experiência de Hélio dentro da linguagem neoconcreta chega ao limite com a série de "Bólides", construções em que se misturam formas cúbicas com material quase deletério, como se fossem vísceras. Quando vai para o "Parangolé", no meu ponto de vista, ele sai das artes plásticas. Mas é uma experiência válida”. (Ferreira Gullar em entrevista à Folha 19/10/2009).
Nisso Oiticica também tem o mérito de reclamar o reconhecimento da estética vivida e experimentada nas favelas: os (as) passistas, os estandartes, as fantasias... Enfim, cores, formas, movimento...
Um Parangolé de amores para todas as mulheres!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AÇÃO DIRETA E LEGÍTIMA DEFESA PACÍFICA

Green Politics must become the Politics of the Regions – all the Regions, from the celestial to the subterranean. Let the next Gathering of the Greens conduct all its business in poetry. This will foreshadow the day when America will be Green. Even better, the day when for a small fee we do an international name exchange and America becomes a large frozen island, while Green Land extends from sea to shining sea. The day when Green Politics rules. The day when the President pantomimes the Inaugural Address and sings the State of the Union in falsetto. The day when the Supreme Court sits naked in powdered wigs and hands down rulings in Pig Latin. The day when the Congress throws a multi-party and dances all the Laws out of existence.(Trecho do The Surre(gion)alist Manifesto , John P. Clark)
É preciso ultrapassar as formas mórbidas e dilacerantes da política atual. Não adianta só as contestações, enquanto persistir seus mecanismos genocidas e desumanizantes é necessário agir diretamente s…

Ação Penal 470 - Filhos do Brasil

                                         Por  Washington Ribeiro Viégas Netto*

"Quando o homem inventou a roda, logo Deus inventou o freio. Um dia, um feio inventou a moda, e toda a roda amou o feio". Zeca Baleiro.

Tenho acompanhado com especial atenção o julgamento do mensalão pela nossa mais alta corte de justiça, o STF. Penso que o resultado ali proclamado nos dará uma medida atual do quanto já nos distanciamos da pecha “república de bananas”; forma de governo que ainda persiste em países destas latitudes. No decorrer de todos esses anos em que tramita o processo, tem sido uma rara oportunidade de o Brasil reafirmar a força e solidez de suas instituições, soberanamente constituídas, quando confrontadas com um, ao que tudo parece, projeto de poder que, por meio de um conhecido método de aparelhamento estatal, tentou um processo de clivagem dessas mesmas instituições. Porém, antes mesmo de iniciado o julgamento, acredito que o saldo é favorável ao Brasil. O Supremo é composto d…

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR

A CORRUPÇÃO NÃO É UMA COISA MENOR A relativização aplicada aos casos de corrupção praticada por parte da “esquerda” (criminosos da “política’) é vergonhosa e irresponsável, mas não deixa ter coerência interna com a doutrina política que abraçam (ao credo religioso que professam). Esse modelo de esquerda existe enquanto séquito e seu ethos é de natureza similar aos ethos encontradas em seitas religiosas. Seguem a apreciação dos fatos e do contexto sob a ferrenha força doutrinária (que diz o que fazer) e sustentada pela fé cega (eles creem por creem, sem se permitir pensar sobre os rumos da sua fé e os efeitos dela sobre o contexto). Essa parte é, sem exagero nenhum, composta por fanáticos. O fanatismo é tão exacerbado que buscam escamotear fatos, em que pese as diferenças e possibilidades interpretativas, são passíveis de verificação por diversos meios. Mas, como fanáticos de tipo de seita, estão mantendo a coerência, pois não só isso pode ser racionalizado a partir da doutrina mãe (marx…